quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Os Poderes Extra-Sensoriais



PES: É a abreviatura de "Percepção Extra-Sensorial", expressão criada por Rhine, em 1934, para designar a faculdade manifestada em alguns fenômenos, notadamente na área de PSI-GAMA, tais como Telepatia, Clarividência, Precognição e outros.

Um dos fatores para o desenvolvimento do PES de forma ativa é o desenvolvimento espiritual, processo que anatomicamente se percebe pela ativação dos chakras.

Fenômenos anímicos - São aqueles que só dependem do dote do sensitivo encarnado e de suas energias biopsíquicas. Também são ditos fenômenos psíquicos. São considerados os seres evoluídos, cuja percepção passa a ser ATIVA, voluntária, desperta pela vontade própria, abertura e ativação dos chakras.

TELEPATIA:

Em telepatia, as refinadas vibrações dos pensamentos do indivíduo transmissor propagam-se através de vibrações sutis do éter existente no astral; a seguir, através do éter mais grosseiro da Terra, criando ondas elétricas que, por sua vez, se transformam em ondas de pensamento na mente do indivíduo receptor. Isto é possível aos yogues muito adiantados, que entram em Samadhi.

Telepatia [do grego têle + pat- + -ia] - Transferência de pensamentos e emoções de pessoa para pessoa, sem o emprego dos sentidos conhecidos. Kardec usou a expressão telegrafia humana, significando a comunicação à distância entre duas pessoas vivas que se evocam reciprocamente. Esta evocação provoca a emancipação da alma, ou do Espírito encarnado, que vem se manifestar e pode comunicar seu pensamento pela escrita ou por qualquer outro meio. É, às vezes, chamada leitura da mente ou transmissão de pensamento. Alguns cientistas acreditam que nem a distância nem o tempo afetam a telepatia. Desta forma, os pensamentos de uma pessoa poderiam ser recebidos por outra pessoa, até mesmo de um país para outro. A telepatia acha-se sob investigação científica, e sua existência é ainda questão aberta.

O astrônomo CAMILLE FLAMMARION fez um sério estudo dos fenômenos de telepatia (ou telestesia, como preferia denominar), isto é, "ser advertido, por uma sensação qualquer, de uma coisa que se passa ao longe".

Os Espíritos podem comunicar-se, estando completamente despertos os corpos.

O Espírito não se acha encerrado no corpo como numa caixa; irradia por todos os lados.

Segue-se que pode comunicar-se com outros Espíritos, mesmo em estado de vigília (acordado), se bem que mais dificilmente.

[O LIVRO DOS ESPÍRITOS - página 229 questão 420]

Sendo o teledinamismo a ação de forças que atuam à distância, cumpre-nos esclarecer que, no fenômeno das comunicações, muitas vezes entram em jogo as ações teledinâmicas, imprescindíveis a certas expressões do mediunismo.

[O CONSOLADOR - página 33] - Emmanuel - 1940

O pensamento exterioriza-se e projeta-se, formando imagens e sugestões que arremessa sobre os objetivos que se propõe atingir.

Quando benigno e edificante, ajusta-se às Leis que nos regem, criando harmonia e felicidade; todavia, quando desequilibrado e deprimente, estabelece aflição e ruína. 

A química mental vive na base de todas as transformações, porque realmente evoluímos em profunda comunhão telepática com todos aqueles encarnados ou desencarnados que se afinam conosco.

[NOS DOMÍNIOS DA MEDIUNIDADE - página 186 ] - André Luiz

O intercâmbio do pensamento é movimento livre no Universo. Desencarnados e encarnados, em todos os setores de atividade terrestre, vivem na mais ampla permuta de idéias. Cada mente é um verdadeiro mundo de emissão e recepção e cada qual atrai os que se lhe assemelham.

Os tristes agradam aos tristes,
os ignorantes se reúnem,
os criminosos comungam na mesma esfera,
os bons estabelecem laços recíprocos de trabalho e realização.

[MISSIONÁRIOS DA LUZ - página 53] - André Luiz - 1943

Os bons ou maus pensamentos do ser encarnado afetam a organização psíquica de seus irmãos na Terra, aos quais sejam dirigidos.

Os bons pensamentos produzem sempre o máximo bem sobre aqueles que representam o seu objetivo, por se enquadrarem na essência da Lei única, que é o Amor em todas as suas divinas manifestações;

os pensamentos de natureza inferior podem afetar o seu objeto, em identidade de circunstâncias, quando a criatura se fez credora desses choques dolorosos, na justiça das compensações. Os corações que oram e vigiam, realmente, de acordo com as lições evangélicas, constroem a sua própria fortaleza, para todos os movimentos de defesa espontânea.

Sobre todos os feitos dessa natureza, todavia, prevalece a Providência Divina, que opera a execução de seus desígnios de equidade, com misericórdia e sabedoria.

[O CONSOLADOR - página 44] - Emmanuel - 1940


CLARIVIDÊNCIA:

Para os rosacruzes, a palavra clarividência significa a faculdade de ver nos mundos suprafísicos (invisíveis para a visão física). Acredita-se que é uma faculdade existente em cada ser humano, mas em estado latente (adormecida) na maioria das pessoas, e que é ativada por meio de exercícios que colocam em vibração a glândula pineal e a hipófise, e será, eventualmente, possuída por todo ser humano no desenvolvimento futuro da humanidade, a par com o desenvolvimento espiritual de cada indivíduo.

Literalmente, clarividência quer dizer “ver claro”.

Segundo C.W. Leadbeather, existem 3 secções do gêneros da clarividência:

Clarividência Simples: Um mero abrir da visão, podendo o possuidor ser capaz de ver entidades astrais ou etéricas que estejam em sua volta.

Clarividência Simples completa: tratemos primeiro da visão etérica, que consiste simplesmente de vibrações maiores que as físicas, mas as pessoas comuns são cegas a ela.

A alteração mais flagrante que é produzida nos objetos inanimados, pela aquisição desta faculdade, é que a maioria deles se torna transparente, devido a diferença do comprimento da onda em algumas vibrações em que o indivíduo acaba de se tornar sensível: “Ver através de um muro de pedra”.

Um muro de pedra parece não ter maior consistência do que uma névoa ligeira. Por isso, ele vê o que se passa no quarto do lado, pode descrever o conteúdo de uma caixa fechada, ler uma carta sem abrir o envelope, ler livros (no caso, usando a visão astral).

Uma curiosidade de quem tem esta visão é que a terra onde caminha, de uma certa forma, se torna transparente alguns metros abaixo, podendo ver formigueiros, roedores, exatamente como se estivesse olhando um lago de água límpida e cristalina.

Porém na visão etérica, não podemos ver a uma certa distância, como se fosse uma névoa que vai desaparecendo à medida que nos distanciamos.

No aspecto animado, podemos ver órgãos internos trabalhando, os chakras, com prática diagnosticar doenças. Embora a visão tenha escalas, pode-se ver várias criaturas que vivem no plano etérico.

Já a visão astral se estende ao plano astral, e podemos ver os seres elementais que vivem neste plano. Conhecidos na literatura como fadas, gnomos, salamandras, são conhecidos como espíritos da natureza.

A visão etérica opera através da visão física, já a visão astral opera por meio do chakra frontal.

O fato curioso é o grau que damos a esta visão, penetrando, lentamente, nas folhas de um livro, lendo folha por folha; essa regulagem é feita pela mente.

Portanto, a visão astral permite ver a aura humana, a visão etérica permite ver o duplo etérico. O duplo é mais físico do que espiritual, sede dos chakras, enquanto que a Aura tem a ver com os sentimentos, pensamentos do indivíduo.

A aura astral só revela o momento em que o indivíduo está vivendo, mas, pelo arranjo total, revela quem é o indivíduo, é um turbilhão de cores no qual se aprende a ler e conhecer as pessoas. Raiva, ódio, maldade têm cores. Amor, paz, bondade tem outras cores.

Clarividência Simples Parcial: Existem indivíduos que possuem a clarividência temporária, ou mediante condições especiais (drogas, remédios, transe hipnótico, etc), outros a têm uma vez ou duas em toda sua vida. Existem tantas variantes quanto ao nível ou duração de uma clarividência que fica impossível criar uma tabela.

Clarividência no Espaço: Permite ao seu possuidor ver acontecimentos distantes, afastados do vidente no espaço, podendo estar distantes ou ocultos. Conhecida também por Clarividência Viajora


Clarividência no Tempo: Permite ao seu possuidor poder ver objetos ou acontecimentos passados ou futuros.


CLARIAUDIÊNCIA:

Faculdade de ouvir sons extrafísicos. É o fenômeno em que se ouvem sons que ocorrem fora dos ouvidos físicos, por se darem à distância ou através de obstáculos que impedem a transmissão do som. Os Chackras responsáveis pelo desenvolvimento da Clariaudiência estão na garganta (Laríngeo), chakras médios localizados no ouvido.

"Cada pessoa pode, pelo treinamento, tornar-se clariaudiente até certo ponto, pelo menos. A clariaudiência está governada por regras semelhantes àquelas esboçadas para a clarividência.

Nos recém-nascidos, a audição é o primeiro sentido adquirido, depois o tato, em seguida a visão. Observe isto, porque tem relação com o desenvolvimento espiritual. Há um velho dito hermético que diz: “Tal como em cima, tal é em baixo; assim como é em baixo, tal é em cima” e a experiência ensina-nos a verdade disto em ambos os sentidos, exotérico e esotérico.

Muitos pensam que se eles ouvem o que é conhecido nos círculos espiritualistas como voz direta, eles estão obtendo uma mensagem clara e pura dos seus amados no mundo espiritual, porque nenhum instrumento humano é utilizado. Mas isto não é assim, pois a voz percebida pelo assistente, embora aparentemente não tenha conexão com o físico, é de fato produzida pela garganta e órgão vocais etéricos do médium. Assim, a voz direta, embora percebida por um sentido físico e aparentemente não relacionada com os órgãos da fala, necessita do corpo etérico do médium a fim de produzir som, e pode, dessa forma, ser matizada pela mentalidade do médium ou animista.

Nesses casos, o centro laríngeo (Chakra) do médium ou animista é utilizado. Este centro está imediatamente relacionado com a clariaudiência. Você pode testar quando estiver meditando. Concentre-se no seu centro laríngeo (Chakra) e você se surpreenderá escutando, e quando tiver aprendido o poder do silêncio, a quietude do espírito, ficará maravilhado em descobrir que sua audição espiritual se intensificou.

À parte da clariaudiência do tipo etérico já aludida, consideremos a clariaudiência espiritual, o poder de ser receptivo aos sons sagrados ou vibrações do mundo do espírito puro. Todos podem se tornar receptivos à voz do espírito puro. Ela fala como pequenina e tranquila voz interior, a voz da consciência.

Vocês não acham estranho que, embora vocês todos almejem ouvir a voz do espírito, provavelmente a última coisa que querem ouvir é a voz da consciência? Todos, com muitas desculpas, silenciam-na, mas, em escutar essa voz se fundamenta o caminho verdadeiro para a clariaudiência, ou “claro ouvir”.

Quanto mais severos vocês sejam consigo, com o eu exterior, a mente externa, subjugando a personalidade de modo a que a voz interior ou a voz da consciência possa ser ouvida, mais rapidamente vocês progredirão à clariaudiência.

Vocês poderiam se considerar como uma caixa de ressonância capaz de responder às vibrações dos mundos elevados. A mente pode interpretar o som de dentro do silêncio, que vem a vocês do mundo do espírito puro, e do mundo astral elevado. O primeiro passo é aprender a escutar. Não tema, ignore ou silencie aquela voz interior. Admita-a, receba-a com alegria. Admita-a mesmo quando ela lhe diga que você está errado. Seja grato ao fato de que você possa reconhecer a voz da consciência, pois, através dela, você desenvolverá uma caixa de ressonância tão genuína que ouvirá os anjos cantarem!

As coisas espirituais podem ser ouvidas com os ouvidos físicos? – vocês perguntam. Nós dizemos: vocês ouvirão dentro de suas gargantas e de suas cabeças. É difícil comunicar o que queremos dizer, mas a voz, os sons, as harmonias tornar-se-ão eventualmente mais definidos até que os sons do plano físico. É possível para vocês, quando ainda na carne, serem tão elevados em consciência de modo a ouvirem claramente as melodias dos planos mais elevados e, enquanto estiverem nesse estado, estarem surdos aos ruídos no plano físico.

Pode lhes interessar saber que os pensamentos podem ser, de fato, ouvidos, porque eles geram uma vibração no plano mental da vida. No mundo oculto, em todos os graus do plano astral, um pensamento produzido será captado instantaneamente pelo auxiliar do discípulo determinado. Um pensamento seu para o seu guia será verdadeiramente ouvido.”



Clariaudiência Mediúnica: segundo a Doutrina Espírita, é a faculdade mediante a qual o médium ouve vozes, sons, palavras, ruídos, sem a utilização do sentido da audição física, que estão além da percepção normal de nossa audição física comum.

Quase sempre desperta em médiuns que já manifestaram a clarividência. Como essas impressões sonoras não são transmitidas aos órgãos auditivos físicos, o médium tem a impressão de que ouve dentro do cérebro. No meio espírita é também chamada simplesmente de audição.


CLARIOLFATISMO:

Faculdade de sentir cheiros que não existem no plano físico, cheiros distantes que navegam nas correntes astrais. Os odores sentidos geralmente indicam a sintonia espiritual. Desta forma, se são agradáveis, indicam a presença de espíritos alegres, felizes. Se são fétidos, indicam a presença de espíritos desequilibrados.

Dentro do Espiritismo temos a seguinte observação:

"o perispírito, a refletir-se na aura, caracteriza-se, também, por odor particular. No plano espiritual, existem regiões infestadas de miasmas pestilentos a exalarem odores tão fétidos, proveniente dos próprios perispíritos de seus habitantes, que os tornam quase insuportáveis para os Espíritos mais sensíveis. Estes odores não se confundem com aqueles oriundos da manipulação ectoplásmica."

[PERISPÍRITO – 2a Edição Revista e Ampliada – Zalmino Zimmermann - página 58]


PSICOMETRIA:

Fenômeno anímico, de tocar em objetos e sentir suas vibrações. A manifestação pode ser visual, auditiva, olfativa ou pressentimento. Um poder psíquico que permite adivinhar fatos segurando objetos. Achar pessoas desaparecidas segurando suas roupas. Sentir o sabor daquilo que toca na boca (paladar).

Chakras usados: Palma das mãos combinado com o coronário.

No Espiritismo, esta forma especial de vidência se caracteriza pela circunstância de desenvolver-se, no campo mediúnico, uma série de visões de coisas passadas desde que seja posto em presença do vidente um objeto qualquer ligado àquelas cenas.

[MEDIUNIDADE - Edgard Armond - 3ª edição LAKE - página 57]

Os objetos, mormente os de uso pessoal, têm a sua história viva e, por vezes, podem constituir o ponto de atenção das entidades perturbadas, de seus antigos possuidores no mundo, razão por que parecem tocados, por vezes, de singulares influências ocultas; porém, nosso esforço deve ser o da libertação espiritual, sendo indispensável lutarmos contra os fetiches, para considerar tão-somente os valores morais do homem na sua jornada para o Perfeito.

[O CONSOLADOR – 23a. edição - Francisco Cândido Xavier - página 90] - Emmanuel - 1940

Faculdade que permite captar a história e o estado atual, tanto de seres vivos, como dos objetos inanimados e, também, por vezes, os ambientes e outros elementos externos ligados à sua existência. 

[PERISPÍRITO – 2a Edição Revista e Ampliada – Zalmino Zimmermann - página 207] 

O objeto conserva as formas-pensamento de quem o possuiu. O objeto é animado pelas reminiscências que reavivam no tempo, através dos laços espirituais que ainda sustentam em torno do círculo afetivo que deixaram. O objeto fica envolvido pelas correntes mentais daqueles - encarnados ou desencarnados - que ainda se apegam a ele. Se estivéssemos interessados em conhecer esses companheiros e encontrá-los, um objeto nessas condições seria um mediador para a realização de nossos desejos. Isto é, podemos usar, para isso, alguma coisa em que a memória deles se concentra. Tudo o que se nos irradia do pensamento serve para facilitar essa ligação.

O pensamento espalha nossas próprias emanações em toda parte a que se projeta. Deixamos vestígios espirituais onde arremessamos os raios de nossa mente.

Quando libertados do corpo denso, aguçam-se-nos os sentidos e, em razão disso, podemos atender, sem dificuldade, a esses fenômenos, dentro da esfera em que se nos limitam as possibilidades evolutivas. Isto é, não dispomos de recursos para alcançar o pensamento daqueles que se fizeram superiores a nós, o pensamento deles vibra em outra frequência.

[NOS DOMÍNIOS DA MEDIUNIDADE – 22a edição - Francisco Cândido Xavier André Luiz - páginas 243 / 4 ]

PSICOCINESIA:

Fenômeno anímico de mover objetos (perto de si sob a ação das mãos, olhos do operador), levitação, auto-levitação. Fenômeno que pode ser voluntário ou involuntário. Concentração de energia consciencial, imantação do objeto alvo.

Os fenômenos considerados objetivos passaram a se chamar yk (psi-kapa) ou psicocinéticos, enquanto que os subjetivos tornaram-se yg (psi-gama) e mais tarde, vieram a ser ditos percepções extra sensoriais, ou, simplesmente ESP (abreviatura do inglês).

Os EUA estiveram representados por Joseph Banks Rhine, na época professor da Ducke University, que levou a ideia para seu país e lá passou a ser considerado como o pai da Parapsicologia sem o ser.
  • Os fenômenos psi-gama também são ditos mentais
  • e os psi-kapa físicos.
ESPIRITISMO:

Mais tarde, com a descoberta de que também existiam fenômenos produzidos por desencarnados (MEDIÚNICOS), seus pesquisadores deram a eles o nome de yq (psi-théta) = psi do termo psikê (alma) e théta de thanatus - morto, com o que a nomenclatura passou a ter duplicidade de definição, porque também os desencarnados são capazes de produzir efeitos físicos e fenômenos personalísticos (os mentais).

A Parapsicologia esteve muito em voga, contudo, com as descobertas, no campo físico, da existência de um outro domínio - possivelmente o espiritual - de agentes estruturadores. Os estudos parapsicológicos passaram a ficar altamente comprometidos, motivo por que carecem de uma reestruturação total.

TELECINESIA:

Fenômeno anímico de mover objetos a grandes distâncias. Concentração de energia consciencial, imantação do objeto alvo, raridade por tratar-se de grandioso dispêndio de energia.

Os Médiuns Telecinéticos: dentro do ESPIRITISMO encontramos os relatos dos médiuns de efeitos físicos, que são particularmente aptos a produzir fenômenos materiais, como os movimentos dos corpos inertes, ou ruídos, etc.

Podem dividir-se em médiuns facultativos (têm consciência dos fenômenos que produzem) e médiuns involuntários ou naturais (não possuem consciência de suas faculdades e são usados pelos Espíritos para promoverem manifestações sem que o saibam).

São os médiuns dotados de faculdade capaz de produzir efeitos materiais ostensivos. Seus trabalhos têm a finalidade de chamar a atenção da incredulidade humana para a existência dos Espíritos e do mundo invisível.

Produzem fenômenos materiais, tais como: movimento de corpos inertes, ruídos, voz direta, curas fenomênicas, transportes etc


TELEPORTAÇÃO:

Fenômeno de transportar objetos físico pelo plano astral, fazendo-o desaparecer fisicamente num lugar e aparecer no outro. Nestes casos existe um aumento vibracional molecular. Efeito de extrema raridade.


PRECOGNIÇÃO:

As premonições são relatadas ao longo dos séculos. Esse fenômeno já aconteceu com quase todas as pessoas, através de sonhos, pressentimentos. Mas quando aguçado, pode ser acionado voluntariamente. É a captação de ondas refinadas de alta vibração da quarta e quinta dimensão.

Pré-cognição, segundo a doutrina espírita, é a visão de um fato que ocorrerá num futuro próximo ou remoto.

É a clarividência no tempo onde algumas pessoas possuem a faculdade de se colocar numa espécie de “ângulo temporal”, isto é, em um momento entre dois acontecimentos onde sua percepção pode abarcar o que ainda ocorrerá em nosso futuro, lembrando que no plano espiritual o conceito de tempo é diferente.

As causas passadas ou presentes projetam, no futuro, seus efeitos, aos quais permanecem ligadas, de forma que, colocando o vidente fora dessa linha de ligação entre dois pontos, pode abrangê-los de extremo a extremo. É também chamada de premonição ou pré-ciência.

NARRATIVAS DE PRECOGNIÇÃO PROVAVELMENTE ESTÃO PRESENTES EM TODOS OS POVOS, em todas as épocas. O conhecimento direto do futuro é o mais intrigante dentre os fenômenos paranormais.

Se pararmos para pensar um pouco, parece absurdo que a precognição exista. É como se tivéssemos consciência ou memória do futuro. Convenhamos, é algo verdadeiramente muito estranho. Não é à toa que alguns autodenominados céticos insistam em negar sua existência. Diante de casos espontâneos, por mais espetaculares que sejam, a interpretação é sempre a mesma: afirma-se o acaso ou coincidência.

É bom lembrar que ser cético é obrigação de todo cientista, e que ser dogmático não combina com ciência. Muitas vezes se instaura um impasse praticamente insuperável com relação à explicação dos casos espontâneos. Para superar isso, parapsicólogos propuseram metodologia experimental para testar a existência ou não da precognição.

Os casos espontâneos de precognição – assim como outros eventos relacionados à fenomenologia parapsicológica – têm muita importância para o experimentador, pois é a partir da natureza e de características do evento espontâneo que os experimentos de laboratório vão ser criados. Os casos espontâneos são a razão da existência dos experimentos parapsicológicos e, ao mesmo tempo, inspiram os experimentos.

Vamos dar um salto no tempo para retomarmos o assunto precognição. Em 1952, o dr. Wilhelm H. C. Tenhaeff (1894-1981), na época professor de parapsicologia na Universidade de Utrecht, fez 150 experiências qualitativas com Gerard Croisset, usando o método da “cadeira vazia”. O número de acertos foi grande, e alguns são impressionantes.

Em 17 de janeiro de 1952, num salão no qual deveria se realizar uma reunião no dia 20 (portanto, três dias depois), foi escolhida, aleatoriamente, a cadeira de número 18, e se perguntou a Croisset quem iria sentar-se naquele lugar. Depois de alguns instantes, Croisset disse que não recebia qualquer impressão, e pediu que lhe fosse indicada outra cadeira. O dr. Tanhaeff assim o fez, e Croisset afirmou que nessa outra cadeira se sentaria uma senhora com cicatrizes no rosto, conseqüência de um acidente automobilístico durante uma temporada na Itália. Mencionou ainda que havia alguma coisa que relacionava a senhora com a “sonata ao luar” (sonata al chiaro di luna).

No dia 20 de janeiro verificou-se que, dos 28 convidados para a reunião, só compareceram 27, e que precisamente o assento 18 ficou desocupado. No outro lugar que havia sido indicado por Croisset sentou-se a esposa de um médico. Ela tinha cicatrizes na face, resultantes de um acidente automobilístico durante férias na Itália. Posteriormente, o marido afirmou que, de fato, a “sonata ao luar” incomodava muito a senhora, porque se associava a uma questão íntima da vida dela.


RETROCOGNIÇÃO:

Processo inverso, receber ondas de acontecimentos passados EXTERNOS, dos registros akásicos. Retrocognição, também conhecida como regressão de memória ou regressão à vidas passadas. MEMÓRIA INTERNA, seria um fenômeno parapsíquico espontâneo ou induzido no qual o indivíduo lembraria, espontaneamente, de lugares, fatos ou pessoas relativos à experiências passadas, sejam elas vidas ou períodos entre vidas.

Através das diferentes técnicas de regressão, pode-se acessar fatos ocorridos durante a vida adulta, a adolescência, a infância, o nascimento, a vida intra-uterina, e até mesmo experiências ocorridas em outras vivências que ainda afetam o dia-a-dia.

RADIESTESIA:

Radiestesia é uma ciência muito antiga e se constitui na capacidade que algumas pessoas possuem de perceber e sentir, de detectar e qualificar com instrumentos, ou sem eles, as energias geradas e irradiadas pelos seres, pelas coisas e pela Terra.

Um radiestesista atua com sua sensibilidade para captar informações das energias da Terra e saber se estas são as maiores responsáveis pelas doenças, limitações e desarmonias. Todas as pessoas tem sensibilidade às irradiações das energias. Podemos, assim, classificá-las: 
  • Algumas raras pessoas possuem um alto grau de sensibilidade para captar informações corretas das irradiações de energia, com ajuda ou não de instrumentos: são os Radiestesistas natos.
  • Algumas pessoas, com uma maior sensibilidade, podem desenvolver a capacidade de perceber e captar as irradiações e as suas influências. 
  • As outras pessoas, mesmo sentindo bem estar ou mal estar provenientes das irradiações, não conseguem desenvolver a sensibilidade da percepção para formular diagnósticos destas energias.

Existem vários instrumentos que são sensíveis às radiações, muitos deles milenares: 

Os pêndulos, as varetas e as forquilhas, e as versões atuais dos anteriores: o dual road e o aura meter. 

Hoje em dia dispomos de avançados e precisos instrumentos de medição que detectam e quantificam estas irradiações, como contadores Geiger ou Kombi-test. Outros tão complexos, somente são acessíveis aos centros de pesquisa subvencionados por fundos internacionais.



SEXTO SENTIDO (INTUIÇÃO):

O PRESSENTIMENTO é um poder menor dentro dos poderes extra-sensoriais, mas inexplicáveis para a ciência, sendo explicado como coincidência ou simplesmente intuição baseada na capacidade de defesa.

"Intiuição e sexto sentido são quase sinônimos. Pode-se dizer que a intuição faz parte do sexto sentido, que inclui também premonição (capacidade de ver imagens do tempo futuro) ou mesmo a percepção de planos invisíveis ao olhar comum (vidência).

Quando um avião está em voo, fica 95% do tempo fora da rota. O que o comandante faz é ir ajustando e corrigindo a direção da aeronave, conforme o plano de voo. Nós também temos uma rota, um plano para essa vida. A intuição é o primeiro sinal que surge para apontar o caminho que está mais de acordo com nosso destino.

Para ouvir melhor esses sinais, é preciso tranquilizar a mente, recolher os sentidos.

Temos muitas vozes internas que abafam nossa intuição. É preciso ficar em silêncio para reconhecer nossa voz interior, sintonizá-la com nitidez. Meditação e momentos para ficar sozinho e em silêncio ajudam muito.

Mas existem outras técnicas. Uma delas é colocar em agendas ou no computador tudo o que nos preocupa. É como ter um arquivo fora da mente, que fica mais livre e vazia. Assim, podemos seguir com mais facilidade os caminhos sugeridos pela intuição - o verdadeiro nome da nossa sabedoria interior".


Por Adri Alves


Fontes: 

>> A Clarividência – C.W Leadbeather – Editora Pensamento.
>> Paul Clement Jagot -A influência a Distância - Curso Prático de Telepatia.
>> Harold Sherman - Como Aproveitar a percepção Extra Sensorial.
>> Aldous Huxley - Terceiro Olho.
>> Blavatski - A Doutrina Secreta.
>> Revista Planeta nº 3 - PARAPSICOLOGIA
>> Almanaque Planeta - Jogos Parapsicológicos.
>> Wikipédia


VISÃO REMOTA

Tecnicamente explicando, o corpo humano é circundado por um halo de energia eletromagnética. Os olhos normais enxergam noventa por cento das emissões fotônicas geradas pela imagem captada. Tais emissões são filtradas pelo tálamo, redundando num formato de energia que é interpretado como a realidade. Mas, e os dez por cento restantes? Esse campo somente poderá ser captado através da chamada "visão remota".

E como obter este atributo? Qualquer um poderia adquiri-lo, independente de sua capacidade extra-sensorial, desde que treine adequadamente, segundo apregoam os especialistas na matéria.

Há empresas que oferecem tais treinamentos.

Assim, é facultados a todos, sem exceção, a habilidade de "enxergar" além do campo visual que o olho comum atinge. Em outras palavras, a visão remota seria uma espécie de percepção extra-visual que possibilita "viajar" com os olhos interiores (no caso, a mente) a qualquer distância, neste tempo e até mesmo em outro tempo (passado e futuro), de acordo com o foco. Esse incrível atributo acontece porque a mente ultrapassa os limites dimensionais, com o corpo consciente e desperto.

No clarividente, isto seria diferente, porque sua capacidade atingiria somente o espaço-tempo presente. 

O "visualizador" precisaria também de referências, tais como mapas, plantas ou fotos para agir.

Tudo isto começou com o advento da Guerra Fria. A CIA e a KGB, agências de inteligência americana e soviética, passaram a contratar paranormais, visando obter informações secretas do inimigo, acessando áreas intransponíveis, sob o ponto de vista físico. Esses agentes especiais eram conhecidos como "agentes psíquicos".

Na verdade, o termo era erroneamente aplicado, uma vez que, conforme mencionado, o mais importante para obter a visão remota é, prioritariamente, treinar.

O postulante deve ter percepção apurada antes de tudo. Depois disso, ele poderá ser devidamente "educado" para "trabalhar" com sua mente, ou seja, facultar-lhe o poder de "conectar" campos magnéticos até então indevassáveis para, em seguida, decifrá-los inteligivelmente.

Por analogia, seria como se a mente fosse uma espécie de computador interligado a um servidor-central, também interligado a outras "máquinas", todas se interagindo com uma rede complexa de dados de variados matizes. Através da visão remota, o indivíduo, então, teria meios para "penetrar" em qualquer computador que desejasse.

"Dentro" do alvo, ele poderia fazer qualquer tipo de "download" (ato de receber os arquivos) ou "upload" (ato de enviar os arquivos) que necessitasse. Surgiria o autêntico "hacker mental", ou seja, um invasor de computadores alheios. Se o termo "psíquico" foi deixado de lado, tais pessoas passaram a ser conhecidas como "bio-mentes".

Em suma, todas as "bio-mentes" seriam similares em essência, mas a gradação poderia variar de acordo com a sua configuração, ou consoante aos "upgrades" (aprimoramento do computador) efetuados.

Deste modo, o acesso ao "arquivo central" e daí, para áreas inexpugnáveis, ou restritas, seria possibilitado a quem estivesse mais habilitado, ou que detivesse senhas secretas, exclusivas de cada computador.

Finalmente, visando comprovar a eficácia do sistema, os divulgadores do tema disseram que o ditador Sadhan Hussein foi capturado graças à utilização deste artifício.

Autor Desconhecido



Segundo o site da Wikipédia, Visão remota (do termo original em Inglês Remote viewing - RV) é um procedimento desenvolvido por parapsicologistas do Instituto de Pesquisa de Stanford, supostamente para executar a chamada clarividência sob condições controladas. O fenômeno envolve a crença em algo semelhante à projeção astral ou projeção da consciência para locais remotos.

A comunidade científica em geral não aceita a validade de fenômenos supostamente paranormais, tais como a visão remota. Nenhum estudo demonstrando a aplicabilidade do fenômeno foi publicado em diários científicos respeitáveis.

Reivindicações dos defensores:

A visão remota permitiria a um observador usar a projeção de sua consciência ou sua capacidade psíquica para supostamente "ver", i.e. reunir informações de um determinado local, um objeto, lugar, pessoa, etc., que estaria longe da visão física do observador, preferencialmente separado do observador por uma grande distância. A "visão" seria a impressão pessoal adquirida pelo observador a respeito do assunto e, às vezes, poderia ser registrada por outra pessoa. Seria semelhante à sensação que temos quando abrimos os olhos após uma noite de sono e tentássemos recordar sobre um sonho ocorrido durante este período. A visão remota clássica é feita em tempo real, embora alguns praticantes informem a possibilidade de cruzar a linha do tempo e ser remetido ao passado ou futuro também. Os defensores dizem que já existe prova experimental válida para esta técnica.

Os defensores argumentam que a visão remota se distingue de outras formas de clarividência e que segue um protocolo experimental específico (ou alguma variante dele). O aspecto crítico comum a estes protocolos, os defensores contestam, é que o observador é cego no sentido ao alvo, e não terá que dar (ou ser negligente) a informação concernente a respeito do alvo que terá que ver.

A pesquisa original, de acordo com Russell Targ, o autor desta teoria, é considerada válida e aceita sob método científico, e está, atualmente, no nível de uma teoria em trabalho, mas não como fato considerado nem como alguma lei da natureza. Uma fraqueza do método é que exige uma resposta subjetiva dos assuntos envolvido na prova. Este ainda é considerado aceitável somente quando os resultados são considerados como produto final. Os resultados só alcançaram um nível significativo estatisticamente, querendo dizer que algumas vezes os resultados casuais tiveram o mesmo resultado, e como experiências usando o fator repetição, não poderia haver exceçôes. Muitos aspectos aceitos pela ciência, incluindo áreas como a psicologia, estão neste mesmo nível de teoria em trabalho.

Fonte:
Courtney Brown, Ph. D., Remote Viewing : The Science and Theory of Nonphysical Perception. Farsight Press, 2005. ISBN 0976676214
David Morehouse, Psychic Warrior, St. Martin's, 1996, ISBN 0312964137
Jim Schnabel, Remote Viewers: The Secret History of America's Psychic Spies, Dell, 1997 , ISBN 0440223067
Paul H. Smith, Reading the Enemy's Mind: Inside Star Gate -- America's Psychic Espionage Program, Forge, 2005, ISBN 0312875150
Ronson, Jon, The Men who Stare at Goats, Picador, 2004, ISBN 0330375474 - written to accompany the TV series The Crazy Rulers of the World)
Buchanan, Lyn, The Seventh Sense: The Secrets Of Remote Viewing As Told By A "Psychic Spy" For The U.S. Military, ISBN 0743462688
F. Holmes Atwater, Captain of My Ship, Master of My Soul: Living with Guidance, Hampton Roads 2001, ISBN 1571742476
McMoneagle, Joseph, The Stargate Chronicles: Memoirs of a Psychic Spy, Hampton Roads 2002, ISBN 1571742255
Tim Rifat, Remote Viewing : What It Is, Who Uses It and How To Do It, Vision 2003. ISBN 1901250962


Fonte: http://www.espiritualismo.info/


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...