sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Lendas Xamânicas - Mantendo o intento



Balam trabalhava incansavelmente. Nesta noite faria o jantar para a Mestra que chegaria de viagem. Sentia saudades, por isso tratou ele mesmo de, amorosamente, fazer o jantar. Em cada verdura, em cada fruta que descascava, um imenso amor invadia seu ser. Colheu as laranjas para um saboroso suco, fez o pão e a geleia. O chá quente e forte como a Mestra gostava... Flores por todo o mosteiro... Tudo estava muito lindo! O aroma de tudo que estava a cozinhar era um convite à sua degustação! Quando a Mestra chegou, Balam ainda estava na cozinha a cantarolar... Fez-se um silêncio profundo. Sim, a Mestra havia chegado! Correu para a sala e lá pode ver a mulher que trazia no olhar a mais pura das dádivas que Deus poderia deixar: o amor, a paz presente.

- Mestra seja bem vinda.

- Agradeço Balam. Foi uma linda viagem e tenho muito para contar a todos vocês.

Balam adorava quando a Mestra falava dessa forma. Sinal de que iriam ouvir belíssimas estórias. Balam olhava com alegria para a Mestra. Como era bom tê-la novamente no mosteiro. Foram longos meses sem ouvir suas palavras, sem sentir o encanto de sua presença... E agora, ela estava ali, bem a sua frente... Repentinamente, a Mestra silenciou como se buscasse algo pelos ares...

- Balam, sinto um cheiro forte vindo da cozinha. Se estás preparando o nosso jantar, é melhor que veja o que está acontecendo por lá.

- Sim, Mestra. Vou agora mesmo.

Foi quando, para sua surpresa, viu o arroz esturricado na panela. Estava todo queimado, impossível de comer. E bem o arroz que a Mestra gostava... Voltou para a sala e disse à Mestra que o jantar iria atrasar pois seu arroz havia queimado.

A Mestra ouviu com atenção e lhe perguntou:

- Balam, por que o arroz queimou?

- Perdoa Mestra, mas tua presença me era tão importante que o acabei esquecendo no fogo.

- Balam, nem a presença de um mestre pode tirar a tua atenção daquilo que estás a fazer. A atenção é o que nos move para o caminho correto, pois ao lado da atenção está a intuição e a intuição é guiada pelo amor. Assim, não há como errar.

Vou lhe contar um episódio da viagem: estávamos voltando para o mosteiro, quando no meio do caminho apareceram alguns lobos muito ferozes e famintos. Os cavalos ficaram muito assustados e estávamos num ponto perigoso da estrada, diante havia precipícios! Chaski estava a guiar os cavalos e pus-me a observá-lo. Seu objetivo era não deixar que os cavalos se sentissem ameaçados pela presença dos lobos. Sua atenção só se voltou aos cavalos e trabalhando incansavelmente, os mesmos começaram a correr novamente, deixando aqueles lobos famintos para trás. Se naquele momento Chaski ficasse entretido com os lobos, perderia seu foco e todos nós poderíamos correr sérios riscos, entende Balam? Coloca tua atenção naquilo que estás a fazer e tenha certeza, quanto mais atento estiveres, melhor será o resultado. Nada pode interferir para com tua atenção. Deixaste o arroz queimar por te distraíres do que estavas fazendo, e agora todos nós estamos sem arroz... Todos riram muito da situação. Mas, Balam compreendera muito bem o que a Mestra quis dizer. Por trás das palavras serenas e brincalhonas, a Mestra acabara de pregar que o verdadeiro aprendizado não depende somente daquele que ensina e sim naquele que deseja aprender.

Thálya Iktomi
(1977-2004)
Xamanista e Sacerdotisa Wanga da Tradição Radá-canzo

Lenda Andina adaptada livremente


Colaboração: Paula Calixto




LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...