segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Grandes Mistérios - O Fim do Mundo


Juízo Final
As Profecias do Fim do Mundo
Calendário Maia
A Profecia de Pedra
Fim do Mundo segundo Nostradamus
Catástrofes Naturais
Ser Humano desencadeará o fim do mundo
O asteroide Apophis
Fim do Mundo em 2011 - pelos Hopis
O Planeta Hercólubus
Colisão da Lua com a Terra
Segundo outros profetas

JUÍZO FINAL

A crença de um julgamento FINAL do SER HUMANO, tendo DEUS como JULGADOR e levando em conta todos atos praticados em vida. Neste ato final, os mortos serão ressuscitados de forma diferente, com interpretações variadas; é comum em quase todas as religiões da Terra.

Interpretação cristã - No Cristianismo, o Juízo Final será o julgamento por Deus de todos os seres humanos que passaram pela terra. Esse evento seria precedido pela ressurreição dos mortos e pela segunda vinda de Cristo.

Interpretação cristã adventista - Dividido em três fases: Investigativo, Comprovativo e Executivo.

O Juízo Investigativo - Os livros de registros são abertos nos céus e cada justo tem o seu nome passado em revista por Jesus Cristo.

Esse fato inicia-se quando Jesus Cristo entra no lugar santíssimo do santuário celestial para purificação deste.

Isso ocorre em 1844, período final da profecia das 2300 tardes e manhãs do livro de Daniel 8:14.

Quando encerrar a revista e o último livro for fechado, então Jesus Cristo retornará à Terra para buscar os justos para viver com Ele nos céus.

Aos justos está ordenado morrerem uma só vez, vindo depois disso a primeira ressurreição e o Juízo (Hebreus 9:27, I Tessalonicenses 4:13-18).

Durante a segunda vinda do Messias (Jesus Cristo) à terra os mortos justos são ressuscitados. Logo em seguida, os justos serão arrebatados juntamente com eles, entre as nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, estando assim, para sempre juntos como o Senhor. (I Tessalonicenses 4:13-18)

Essa será a primeira ressurreição. (Apocalipse 20:5)

O Juízo Comprovativo - As Escrituras descrevem que Satanás estará preso por "uma grande corrente" (Apocalipse 20:1).

Não se trata de uma corrente literal, será simbólica, uma corrente de circunstâncias. Não tendo ninguém a quem tentar (os vivos ressuscitados estão no céu e os ímpios ainda mortos), ele fica isolado num mundo vazio e é obrigado a pensar em todos os sofrimentos e tragédias que causou.

O Juízo Executivo - Passados mil anos desde a primeira ressurreição, a Bíblia professa uma terceira vinda do Senhor à Terra.

A Santa Cidade, conhecida como Nova Jerusalém, desce dos céus para se estabelecer na Terra e nela está o trono de Deus (Apocalipse 21:2).

Nesse tempo serão ressuscitados uma segunda classe de pessoas, conhecidas como "ímpios" (os não justos, seres humanos que não aceitaram a Jesus) (Apocalipse 20:11-13).

Porém, com a ressurreição dos ímpios, Satanás será liberto da sua prisão de circunstâncias. Tendo agora a quem tentar, reunirá os ímpios ressuscitados para uma batalha contra os que habitam em Nova Jerusalém (Apocalipse 20:7-9).

Nesse momento crítico, Deus dirige o último momento do julgamento, e os ímpios recebem sua sentença naquele dia.

"Depois vi um grande trono branco e aquele que nele estava assentado... Vi também os mortos, grandes e pequenos, em pé diante do trono, e... os mortos foram julgados de acordo com o que tinham feito, segundo o que estava registrado nos livros" (Apocalipse 20:11, 12).

Interpretação cristã católica romana - Segundo a Bíblia, aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo depois disso o Juízo final, que confirma a sentença recebida por cada pessoa no seu juízo particular: "E como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo" (Hebreus 9:27).

Depois que os céus passarem, os elementos se desfizerem, e a Terra e as obras que nela há se queimarem (II Pedro 3:10-12), Deus ressuscitará a humanidade e a reunirá, diante do Seu trono, para julgar os mortos, segundo as suas obras no mundo: "E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante do trono, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida: e os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras" (Apocalipse 20:12).

E, de acordo com Evangelho segundo São Mateus: "Portanto, não os temais; porque nada há encoberto que não haja de revelar-se, nem oculto que não haja de saber-se." (Matheus 10:26).

Tudo o que as pessoas fizeram às escondidas em vida será revelado. Nesta fase, ocorrerá também a segunda vinda de Jesus à Terra já "destruída", para também julgar a humanidade, ao lado de Deus Pai. As pessoas cujos nomes não estiverem no Livro da Vida receberão o castigo eterno: "E irão estes para o tormento eterno" (Matheus 25:46) sendo lançados em um lago de fogo e enxofre: "E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo." (Apocalipse 20:15)

Como se fosse isto uma espécie de segunda morte: "Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicários, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre, o que é a segunda morte." (Apocalipse 21:8).

Os justos, porém, depois do Juízo Final, viverão eternamente em uma nova terra, em novos céus: "Mas nós, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça" (II Pedro 3:13) que constitui o Reino de Deus, realizado na sua plenitude e perfeição. Neste reino eterno, Deus será tudo em todos: "E, quando todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então também o mesmo Filho se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos." (I Coríntios 15,28)

Interpretação cristã esotérica - Embora o Juízo Final seja pregado por grande parte das igrejas cristãs, essa ideia do Juízo Final é rejeitada por outras correntes cristãs de pensamento, como o Cristianismo esotérico, que assegura que todos os seres da onda de evolução humana serão "salvos" num futuro distante, até que tenham adquirido um grau superior de consciência e altruísmo, por meio dos sucessivos renascimentos.

Protestantes - Segundo um livro bíblico aceito por cristãos protestantes, o juízo final é um dia muito breve em que Jesus levará Sua noiva para com Ele morar, um dia em que haverá muita destruição e no qual algumas pessoas serão lançadas no lago de fogo, por terem cometido algum adultério...

Interpretação do islamismo - No islamismo, o Dia do Juízo Final é o fim da terra e do universo que conhecemos. Precedendo o dia do julgamento existirão os grandes sinais do Dia do Juízo.

O primeiro sinal é a aproximação do Sol originado do oeste, acompanhado pelo aumento da Besta da Terra. A vinda de Imam Al-Mahdi (que significa "divinamente guiado"), que precede a Segunda Vinda de Isa (Jesus), desencadeia a redenção do Islã, com a derrota dos seus inimigos. A natureza exata do Mahdi difere entre xiitas e sunitas, mas ambos concordam que Isa (Jesus) e o Imam Al-Mahdi vão trabalhar em conjunto para lutar contra o mal no mundo, para cimentar a justiça na Terra, e vai unir os muçulmanos e cristãos em verdadeiro Islão e abolir a Jizya. O Mahdi vem de Meca e as regras a partir de Damasco, na Síria. Isa irá derrotar Dajjal (literalmente enganador, falso messias ou o anticristo), e então viver na Terra muitos anos. De acordo com algumas tradições, Isa vai casar e ter uma família, e depois morrer.

No texto Sinais de Qiyamah, Muhammad Ali Ibn Zubair Ali declara que, após a chegada do Mahdi, "o terreno será em caverna, névoa ou fumaça cobrirá os céus por quarenta dias (ayah). Uma noite de três noites seguirá ao nevoeiro. Depois da noite de três noites, o sol vai subir, a oeste. O Dabbat al ard (a Besta da Terra) deve emergir. A besta irá falar com as pessoas e marcará os rostos de pessoas. Uma brisa do sul deve causar a todos os fiéis a morte. O Alcorão vai ser levantado a partir do coração do povo."

Durante o julgamento, o "livro de ações" será entregue a uma pessoa do povo com todos os atos palavras que cada um falou, segundo o Alcorão. Se receber com a mão direita, essa pessoa vai para o Jannah (paraíso). Se ela o receber com sua esquerda vai ao Jahannam (Inferno). Ações durante a infância não serão julgadas. Mesmo pequenas e triviais ações serão incluídas na conta. Se uma pessoa negar uma ação que ele ou ela tenha cometido, ou se recusar a reconhecê-la, as suas partes do corpo testemunharão contra eles.

O Alcorão afirma que alguns pecados podem condenar alguém para o inferno. Estes pecados incluem mentir, desonestidade, corrupção, ignorar Deus ou revelações de Deus, negar a ressurreição, recusar-se a alimentar os pobres, agir com opulência e ostentação, e oprimir ou economicamente explorar outros. No entanto, se tiver a verdadeira crença islâmica no coração, então, a pessoa acabará por ser admitida no paraíso, após justo castigo.

Ao longo do julgamento, no entanto, o princípio imperativo é o de uma completa e perfeita justiça administrada por Deus. As contas de julgamento também estão repletas com a ênfase que Deus é misericordioso e perdoa, e que o perdão e a misericórdia serão concedidos naquele dia, na medida em que for merecido.

Isto é similar a algumas teologias protestantes que afirmam que a salvação é pela graça de Deus, e não por atos. O Islão, no entanto, enfatiza que a graça não está em conflito com perfeita justiça.

Interpretação do espiritismo - Para o Espiritismo, o "Juízo Final" é uma alegoria das religiões tradicionais e é equiparado ao que se chama, em Espiritismo, de Processo de Regeneração da Humanidade. Ou seja, a rigor, não há nenhum juízo final. Há, outrossim, períodos de turbações necessárias no mundo, que visam o aperfeiçoamento das condições naturais do próprio mundo e, por outro lado, ao aprimoramento intelectual e moral das pessoas que nele habitam.

Todas estas turbações, segundo o Espiritismo, não são acontecimentos que poderiam derrogar, em nenhum momento, as leis naturais que emanam de Deus: pelo contrário, viriam exatamente lhes dar cumprimento. As comoções periódicas, nos dizeres de Allan Kardec, estão presentes em quase todas as épocas da humanidade e podem ser relatadas pela história.

Mas, para o Espiritismo, os últimos séculos trazem consigo mudanças rápidas e de grande dimensão, como podemos facilmente notar no atual mundo à nossa volta, comparado historicamente a outras épocas. Dessa forma, as comoções e acontecimentos que afligem a humanidade nos tempos atuais tendem a ser de grande dimensão e intensidade, especialmente por conta do egoísmo e materialismo que os indivíduos fazem imperar no mundo, e que estes mesmos egoísmo e materialismo fazem os próprios meios de auto-destruição (que também é constante renovação) da humanidade presente.

Assim, para o Espiritismo, "Juízo Final" pode ser entendido como Renovação, Regeneração e Mudança - nunca como aniquilamento da espécie humana ou condenação eterna - mas, sempre, como grande oportunidade de Deus aos seus seres, de reavaliação de valores, condutas e sentimentos, com o intuito de lhes fazer progredir.

Bibliografia:

de Almeida, João Ferreira, A Bíblia Sagrada - Antigo e o Novo Testamento, Revista e Atualizada no Brasil, 2a. edição, Barueri/SP, Sociedade Bíblica do Brasil, 1993, ISBN 85.311.0279-0
Sass, Roselis von, O Livro do Juízo Final, Editora Ordem do Graal na Terra, 1999, ISBN 85-7279-049-7
KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos

Fonte: Wikipédia.

AS PROFECIAS DO FIM DO MUNDO

CALENDÁRIO MAIA - Os MAIAS, povo da América, acreditavam em ciclos recorrentes de criação e destruição e acreditavam que cada ciclo durava cerca de 1.040 anos.

Para eles, nós estamos vivendo na quarta era do sol - sendo que, antes da criação do homem moderno, existiram três Eras anteriores, destruídas por grandes cataclismos. A primeira Era teria sido destruída pela água, depois de chover sem parar, coincidindo com o mito do dilúvio.

O segundo mundo teria sido destruído pelo vento e o terceiro pelo fogo. O quarto mundo, o que nós vivemos hoje, de acordo com as profecias do rei-profeta Maia Pacal Votan, será destruído pela fome, depois de uma chuva de sangue e fogo.

O mundo vai acabar no dia 21 de dezembro de 2012. Esta data foi estabelecida no calendário Maia, um calendário que principia a contagem do tempo em 11 de agosto do ano 3114 a.C., ou seja, antes mesmo das datações arqueológicas desta misteriosa civilização. De acordo com aquelas datações, os Maias floresceram entre 1800 a.C. e 1450 d.C. em um vasto território que inclui regiões da América Central e América do Sul, onde a ruínas de suas cidades e pirâmides monumentais resistem ao tempo.

Os Maias são reconhecidos por seu avançado conhecimento de astronomia e pela precisão de seus diferentes calendários, como o calendário anual, solar, com 365 dias, chamado Haab. Outro destes calendários, o de 'Longa Contagem', foi desenvolvido para computar extensos períodos de tempo ou ciclos, de 5.125 anos.

Foi com base naquele calendário de longos ciclos que se estabeleceu a tradição da profecia maia do fim dos tempos. Os astrônomos desta singular cultura pré-colombiana previram para 2012 atividades cósmicas impactantes para o planeta Terra. Quando chegar esta época, o Sol deverá sofrer violentas tempestades, emitindo poderosas chamas e partículas cuja potência alcançará este planeta azul, causando o colapso de campos magnéticos que, certamente, produzirão danos nos satélites e outros dispositivos eletrônicos.

Esta violenta atividade solar é confirmada por astrofísicos, incluindo os da NASA que, não obstante, negam que tal acontecimento possa significar algum tipo de fim do mundo. Segundo os cientistas, as tempestades solares intensas que, de fato, são periódicas, estão previstas para acontecer entre 2011 e 2012. Outros estudiosos, porém, acreditam que a atividade solar, em 2012, também vai provocar uma mudança significativa na inclinação do eixo da Terra, produzindo, em consequência, atividades geológicas de proporções catastróficas, o que justificaria a ideia de um fim dos tempos.

O antropólogo Carlos Barrios (Guatemala), depois de entrevistar 600 anciões maias, investigando a profecia, concluiu que as atividades solares previstas para 2012 não implicam em um fim de mundo, antes, será uma transformação que já está em curso e tende a se acelerar [Biblioteca de PAN Portugal].

De fato, quando se fala em Fim do Mundo, muitos imaginam um evento súbito, algo que acontece do dia para a noite. Todavia, a transformação de meio-ambiente e da Humanidade deve ser um processo gradual que, tal como no Apocalipse bíblico, ocorre de forma gradual, pelo suceder de eventos que podem ser considerados os “sinais” e que podem ser interpretados, seja pelos místicos ou pelos cientistas.

O jornalista e crítico de arte Alberto Beuttenmüller, autor do livro A Serpente Emplumada, tripologia dedicada às profecias maias, entende que a profecia maia já está em curso desde 1988 e que chegará ao ápice em 2013 [FERRER]. Maurice M. Cotterell, um dos autores de outro livro sobre o assunto, As Profecias Maias, destaca as coincidências entre o apogeu e o declínio das civilizações e as variações na atividade das manchas solares [FERRER]. Entre as mudanças notáveis que caracterizam o começo e o fim dos ciclos de apogeu e decadência estão as mutações genéticas, alterações climáticas significativas, fenômenos geológicos, como terremotos, maremotos, erupções vulcânicas.

No site ANJO DE LUZ [ver bibliografia], ao que tudo indica inspirado na corrente mística dos Mestres Ascensionados, sete profecias maias estão relacionadas:

1 - A primeira profecia fixa o ano de 1999 para o início de um confronto da Humanidade com suas próprias realizações e da necessidade de uma reavaliação individual do comportamento, com ênfase na crítica ao materialismo, egoísmo, corrupção e extrema ignorância, fontes de destruição dos recursos naturais e proliferação das mazelas humanas, como a miséria em todos os seus aspectos.

2 - A segunda profecia fala do eclipse solar de 11 de agosto de 1999: 'A sombra que a lua projetou sobre a terra atravessou a Europa, passando por Kosovo, depois pelo Oriente Médio, Irã, Iraque e posteriormente dirigindo-se ao Paquistão e a Índia. Com a sua sombra ela parecia prever uma área de conflitos e guerras' [ANJO DE LUZ Website].

3 - Esta profecia enfatiza as mudanças climáticas e a parte de responsabilidade que cabe à humanidade neste processo. Fala do desflorestamento, da poluição, da degradação ambiental, do efeito estufa, aquecimento global e sério comprometimento das reservas de água potável. Em consequência, são previstas a fome, a seca, o aparecimento de novas doenças e retorno de doenças que pareciam controladas ou extintas, a morte das comunidades mais expostas a estes prejuízos, ou seja, os pobres. Esta profecia combina com as visões de numerosos profetas históricos...

4 - A quarta profecia, ainda referindo-se ao aquecimento global, fala da diminuição das calotas polares e consequente elevação do nível dos oceanos, causando inundações das faixas litorâneas: 'Estudos realizados pela Universidade de Colorado concluem que as geleiras e picos nevados de todo o mundo estão diminuindo seu volume notavelmente, como resultado do aumento geral da temperatura do planeta. O maior pico nevado na África, o monte Kenia, perdeu 92% de seu massa, os picos nevados do monte Kilimanjaro sofreram redução de 73%. Em 1980 havia 27 picos nevados, esse número foi reduzido para 13. Nos Alpes europeus e no Cáucaso na Rússia diminuíram 50%'. Na Antártida a situação é ainda mais grave, o pico está se derretendo a partir do centro e não a partir das bordas. É sabido que quando um lago gelado começa a derreter ele sempre o faz a partir de seu centro. A temperatura na Antártida aumentou 2,5°C nos últimos 25 anos e está aparecendo vegetação em locais onde antes não havia nada mais do que gelo [ANJO DE LUZ website].

Aqui não se pode deixar de destacar que o ressurgimento de terras verdes na Antártida também foi previsto pelo vidente norte-americano Edgar Cayce: "A Terra se partirá na parte oeste da América. Uma grande parte do Japão deverá afundar no mar. A parte superior da Europa se transformará em um piscar de olhos. Uma nova terra aparecerá e poderá ser vista da costa leste americana. Movimentos se verificarão no Ártico e na Antártida que provocarão erupções vulcânicas nas regiões tórridas e, em seguida, um deslocamento dos pólos, de maneira que as regiões frias, temperadas e semi-tropicais se tornarão mais quentes, onde crescerão musgos e fetos" [ÁREA 51].

5 - A quinta profecia refere-se a uma profunda crise econômica mundial, ao delírio do consumo, às ilusões do sistema financeiro que fazem a riqueza real ser substituída pela riqueza virtual, dos cartões de crédito que tornam as pessoas inadimplentes, gerando problemas de ansiedade e depressão, da fragilidade das transações financeiras baseadas em uma rede mundial de computadores sujeita a um colapso total, posto que depende de uma rede de satélites e de produção de energia, estrutura frágil que pode ser abalada ou destruída por um simples evento de natureza cósmica.

6 - A sexta profecia anuncia a passagem de um cometa, outro ponto onde muitos profetas concordam, incluindo o apóstolo João, o profeta no Apocalipse bíblico, onde é chamado Absinto. Para os maias, é o cometa Ajenjo. [Ver, adiante Apophis, o Asteroide do Fim do Mundo]

7 - A sétima profecia prevê mudanças genéticas no organismo humano com o desenvolvimento de faculdades extra-senhoriais, como a telepatia, não apenas no sentido de transmitir o pensamento, mas, sobretudo a capacidade de ler o pensamento alheio, extinguindo atitudes hipócritas, ou seja, o fim da mentira; o desenvolvimento da capacidade de auto-cura, extinguindo, assim, o sofrimento causado pelas doenças. Essas novas capacidades deverão beneficiar aqueles que sobreviverem aos cataclismos anteriores, marcando o fim das desgraças do fim deste mundo, inaugurando assim, um novo mundo, devidamente purificado, adequado para ser a morada de uma raça humana superior a atual.

Estas sete profecias maias estão em plena concordância com outras teorias relativas ao Fim dos Tempos, mais especificamente, ao fim deste tempo, desta Humanidade que, mesmo tendo atingido um alto grau de progresso material, não obstante, também mergulha em uma profunda degradação espiritual, devendo passar pelo processo cíclico de purificação, de separação do joio do trigo. Esta ideia é compartilhada pelos espíritas adeptos da teoria dos Exilados de Capela, dos profetas, da passagem do 'planeta X' ou Hercólobus, e ainda dos teósofos que relatam o florescimento e a destruição das civilizações arcaicas da Lemúria e Atlântida.

Fonte:

MORTE SÚBITAhttp://www.mortesubita.org/
Lígia Cabús

AS SETE PROFECIAS MAIAS - http://www.anjodeluz.com.br/

A PROFECIA DE PEDRA

A história do mundo em pedra

Para decifrar o enigma da Grande Pirâmide de Quéops tem que dispor da chave, que é simplesmente a medida utilizada. Para os piramidólogos, a "braça sagrada" foi a unidade que presidiu a construção, e consideram que é equivalente à décima milionésima parte do raio polar da terra.

Expresso em metros, a "braça sagrada" teria um comprimento de 0,635660, sensivelmente maior que a braça convencional, e, por sua vez, se dividia em 25 "polegadas piramidais". Temos de ter bem presente que nada teria sentido se não nos servíssemos destas magnitudes.

A história do homem se inicia na entrada da seringa, em uma data que se corresponderia com o ano 4.000 antes de Cristo, o ano zero da pirâmide. A partir daqui, polegada a polegada, estão refletidas zelosamente as datas destacáveis do caminho da humanidade. Também a direção e dimensões dos corredores têm sua simbologia; assim, o primeiro tramo descendente está expressando a descida do homem, sua degradação, que encontra seu caminho de elevação no corredor ascendente. É precisamente na intersecção de corredores descendente e ascendente onde está assinalada a primeira data importante, o ano 2.513,555469 da pirâmide, que corresponde com o 4 de abril de 1486 antes de Cristo, data do êxodo de Israel.

O Nascimento e a morte de Jesus Cristo

A partir desse ponto começa a marcha ascendente da humanidade, como se vê, muito relacionada com os acontecimentos vividos pelo povo judeu. Seguindo o corredor ascendente, símbolo do caminho para a luz espiritual, encontra outra data fundamental: está situada um pouco antes que o corredor se abra à grande galeria, e corresponde ao ano 3.996 da pirâmide, o dia 15 do mês de Tisri (sábado, 4 de outubro, segundo o ano gregoriano) do ano 4, antes de nossa era, data que, segundo sustentam os piramidólogos, é a autêntica do nascimento de Jesus.

A grande galeria ostenta também o nome místico de "A época do Salvador da raça humana" e se inicia no dintel (verga superior de porta ou janela) deste espaçoso corredor com a data chave do cristianismo, 7 de abril do ano 30 do calendário juliano, momento da morte de Cristo. Não deve surpreender o fato de que Jesus Cristo seja um personagem chave nesta terminologia, pois é assegurado que os antigos sacerdotes egípcios conheciam as antigas profecias sobre a vinda do Messias ao mundo.

A Primeira Guerra Mundial

A entrada do primeiro corredor baixo corresponde ao 4-5 de agosto de 1914, inicio de turbulências na humanidade; seguem-se os sinais e, matematicamente, encontra-se, no final do corredor, a data 10-11 de novembro de 1918.

Entre 2001-2030 - O fim do Mundo

De certo, a mensagem da Grande Pirâmide se traduz em um fim do mundo situado entre os anos 2001 e 2030, bem entendido que esse fim não é total. Provavelmente, o término de uma etapa signifique a luta de duas ideologias, algo que já está acontecendo: o defrontamento entre os que se identificam com o passado e os que situam sua meta no imediato futuro, um enfrentamento sangrento, possivelmente catastrófico, mas não definitivo.

Segundo a Grande Pirâmide, após a tempestade virá a calma, a ordem, o que é o mesmo, o nascimento de um homem novo, de uma espiritualidade nova.

Fonte:
Grandes Enigmas - O fim do Mundo Segundo as Profecias - nº 5

O FIM DO MUNDO SEGUNDO NOSTRADAMUS

Não é o momento para nos estender falando deste grande sábio e vidente, a quem, mais adiante, voltaremos a nos referir. Basta dizer que também encontrou tempo e que teve a visão suficiente para dedicar alguns versos ao tema que nos ocupa, ao fim do mundo, e, além disso, com a valentia suficiente como para brindar-nos uma data concreta.

"O ano 1999, sétimo mês, do céu virá um grande rei de terror. Ressuscitar ao grande Rei de Angoulmois, Antes, depois, Marte, reinará por fortuna".

O estilo crítico de suas quadras, e o enorme medo que sentia de que fossem entendidas pela Inquisição, fazem muitas vezes incompreensíveis suas mensagens. Mas o primeiro dos versos está claro. Como revela em outra quadra, sua profecia será cumprida aos "vinte anos do reino da Igreja". Considerando estes como anos santos ou jubilares, chegaremos irremediavelmente ao ano 2000. O que vem a coincidir, também, com os textos que são apoiados na cronologia do calendário judeu e que, às vezes, utiliza.

A última guerra: Como será produzida a grande catástrofe? A obra de Nostradamus vai sempre irremissivelmente unida à história da Igreja e à história da França. Primeiro se desencadeará uma terceira guerra mundial, que durará três anos e sete meses:

"Após grande reunião humana, uma maior se prepara, o grande motor dos séculos renova; Chuva, sangue, leite, fome, ferro e peste será visto fogo no céu e correr grande faísca"

CENTÚRIA X

Quadras:

65

Ó vasta Roma tua ruína se aproxima Não de teus muros, de teu sangue e Substância O astuto em letras fará tão horrível ferida Ferro pontiagudo ferindo às escondidas

67

Um tremor muito grande no mês de maio Saturno em Capricórnio, Júpiter e mercúrio em Touro Vênus também em Câncer, Marte em Virgem Então o granizo cairá, maior do que um ovo

68

O exército do mar se postará diante da cidade Depois partirá sem fazer uma longa travessia Uma grande pilhagem dos cidadãos irá ocorrer em terra A frota retorna para apoderar-se através de grandes roubos

70

Por causa de um objeto o olho inchará muito E arderá tanto que a neve cairá Os campos úmidos começarão a diminuir Quando o primaz morrer em Reggio

71

A terra e o ar congelarão muita água Quando venerarem a quinta-feira Aquele que chegará jamais será tão justo Quanto os quatro pares que virão homenageá-lo

72

No ano 1999 sete meses Do céu virá um grande rei de terror Ressuscitar o grande rei de Angoumois Antes depois Marte reinar por felicidade.

74

Ao retorno do grande número sétimo Aparecerá ao tempo fogos de hecatombe Não distante da grande idade milésima Que os entrados sairão de seu túmulo

75

Longamente esperado, ele não mais retornará À Europa, mas aparecerá na Ásia. Um da liga, descendente do grande Hermes, Se erguerá acima de todos os outros poderes no Oriente

81

O tesouro é guardado num tempo pelos cidadãos do Ocidente E de lá retirado para um lugar secreto O templo aberto por vínculos famintos Recapturado, violado, uma presa terrível em seu meio

89

Os muros mudarão de tijolo para mármore 75 anos pacíficos Alegria às pessoas, aquedutos reabertos Saúde, frutas abundantes, alegres e melífluos tempos

96

A religião denominada pelos mares dominará Contra a seita do filho de Adaluncatif A obstinada e lamentável seita irá temer Os dois homens feridos por A e A

99

O fim do lobo, do leão, do boi e do asno Do tímido gamo será com os mastins Não mais o doce maná cairá sobre eles Mais vigilância e guarda para os mastins

CATÁSTROFES NATURAIS

A MORTE DO SOL - Do ponto de vista astrofísico, a terra vai desaparecer, um dia, com toda certeza, embora este dia deva acontecer daqui a bilhões de anos; e o culpado de tudo será o ciclo natural de vida do Sol. As estrelas brilham porque queimam combustível e morrem e se transformam pelo esgotamento deste combustível. São os gases em combustão que fazem das estrelas corpos celestes incandescentes: hidrogênio que queima produzindo Hélio.

A idade do Sol, na condição de estrela estável, é estimada em 5 bilhões de anos e sua perspectiva de vida restante como estrela amarela, do tipo G, é de mais 5 bilhões de anos. O Sol é, portanto, uma estrela de meia-idade. Ao fim dos 5 bilhões de anos restantes, quando toda a reserva de hidrogênio do núcleo solar estiver esgotada, o astro perderá sua estabilidade. O centro vai se contrair e as camadas exteriores entrarão em expansão. Neste ponto, o sol vai se transformar ou se converter em uma estrela gigante vermelha, cem vezes maior do que é hoje, um processo que vai, inevitavelmente, engolir os planetas mais próximos: Mercúrio, Vênus, Terra e Marte.

O CLIMA e a NATUREZA, dentro de um ciclo natural, poderá, através de sua natureza, com um pequeno movimento extra do seu padrão, provocar::
  • Cataclismos naturais.
  • Inundações.
  • Maremotos.
  • Tremores de terra.
  • Ciclones.
  • Tempestades gigantes, o que provocaria ondas gigantes (Tsunamis).
  • pragas de animais, como gafanhotos, mosquitos, que podem provocar doenças letais e fatais.
O SER HUMANO DESENCADEARÁ
O FIM DO MUNDO
  • CRIAÇÃO DE UM VÍRUS LETAL
  • CONTAMINAÇÃO DA ÁGUA
  • A CRISE DO OXIGÊNIO (POLUIÇÃO)
  • MANIPULAÇÃO DO ÁTOMO E DA ENERGIA ATÔMICA
  • AQUECIMENTO GLOBAL
  • CONTAMINAÇÃO DOS ALIMENTOS
  • A FOME MUNDIAL
  • SUPERPOPULAÇÃO
  • PANDEMIAS
  • ARMAS QUÍMICAS
  • CHUVA ÁCIDA


Por Lígia Cabús

Todas as teorias do Fim do Mundo apresentadas até aqui mencionam um fenômeno cósmico como deflagrador da tragédia: a passagem de um corpo celeste nas proximidades da órbita terrestre ou mesmo a colisão de um astro com o planeta. Para alguns, funesto fenômeno natural, para outros, determinação de um plano divino, carma planetário. Todavia, não se pode excluir do rol das possibilidades um Fim do Mundo causado pelo próprio SER HUMANO.

Nesse caso, três alternativas são conjeturáveis: hecatombe químico-nuclear, pandemia (doença fatal, altamente contagiosa e incurável que se espalha pelo mundo) ou, ainda, uma combinação das duas anteriores.

A catástrofe nuclear não é um delírio dos herdeiros de Hiroshima. Atualmente, existem no mundo governos, governantes e líderes políticos marginais, insanos o suficiente para usar armas nucleares e armas químicas. No momento, a principal ameaça é o terrorismo dos muçulmanos radicais ou, melhor dizendo, fanáticos que se apoiam ou tentam justificar suas ações em argumentos religiosos. [Há profetas e profecias que descreveram visões do Vaticano dominado por bandeiras vermelhas ostentando a cruz e a estrela, e é fato amplamente divulgado que os muçulmanos emigrantes e descendentes estão infernizando países europeus como a Holanda, por exemplo]. O episódio de 11 de setembro é suficiente para demonstrar até onde pode chegar este tipo de gente.

Uma vez atirada a primeira pedra, seja um míssil atômico ou mesmo um ataque ao Ocidente [ou a Israel, por exemplo] com armas químicas, o desenrolar dos fatos pode, facilmente, fugir do controle, deflagrando uma guerra capaz de promover a destruição do mundo civilizado em curto período de tempo.

Uma pandemia também pode acabar com a Humanidade. Muito se tem falado na gripe aviária mas outros agentes patológicos, como o vírus do Ebola, são extremamente perigosos. Uma vez disseminados em escala global, posto que causam doenças fatais de rápida evolução e ainda sem cura, são potencialmente capazes de ceifar a vida de bilhões de seres humanos em pouco tempo, produzindo caos mundial pela súbita redução radical da população, comprometendo ou destruindo completamente setores vitais das engrenagens sociais como agricultura, indústria, comércio, transporte, comunicações, etc. Isto porque um enorme contingente da mão-de-obra que atua nestas áreas estará, simplesmente, morta.

A origem de uma pandemia como essa pode ser o aquecimento global, seja tal aquecimento causado pela ação do homem ou da Natureza. Afinal, o globo terrestre está sujeito aos ciclos de glaciação e degelo em diferentes proporções e de diferentes durações. Nenhum cientista pode garantir que o aquecimento atual seja 100% culpa da Humanidade; pode ser um fenômeno natural.

Quanto a ação do SER HUMANO, são bem conhecidas as possíveis razões do aquecimento: emissão de gases poluentes, dióxido de carbono produzido pela queima de combustíveis fósseis [petróleo, carvão] entre outros gases, e até a flatulência dos rebanhos de carneiros neo-zelandeses já foi apontada como fator significativo no processo de redução [ou esburacamento] da camada de ozônio.

Mesmo os mais conservadores já admitem um crescimento da temperatura média global de 5º até 2100, com direito a um enorme desequilíbrio térmico entre as áreas continentais, áreas temperadas desertificadas e graves danos a diversos eco-sistemas, incluindo a extinção sistemáticas de diversas espécies que deles dependem. Nós inclusos.

Superpopulação - Mas digamos que uma conscientização em larga escala seja possível, e consigamos evitar que o efeito estufa cobre seu preço. Ainda assim, teremos um gigante desafio de não sufocarmos a nós mesmos pela superpopulação. Essa preocupação começou com Thomas Malthus, no século XIX, que previa que, com o crescimento absurdo de nascimentos, em breve não haveria comida para todos. É verdade que ele não previu a revolução industrial para satisfazer a oferta, mas pouco depois de sua morte, no ano de 1850, a população humana chegou ao seu primeiro bilhão de pessoas. E desde então, os índices de crescimento têm batido recordes seguidos de multiplicação, estimando hoje que em 2050 seremos, no mínimo, um grupo de 10 bilhões.

Atualmente já ocupamos quase a totalidade da superfície terrestre, deixando meros 20% para florestas, rios e outros animais. Se ocuparmos todo o espaço, estaremos condenando a nós mesmo à destruição. Infelizmente, as consequências de um grupo tão grande não são apenas geográficas. Todos os recursos terão que ser multiplicados, se quisermos evitar o colapso do sistema que criamos. Água será item de luxo e todo o lixo produzido terá que ir para algum lugar. Os sistemas de transporte, moradia, saúde e policiamento terão todos que ser reavaliados. E para completar, segundo o famoso cientista Stephen Hawking, a energia elétrica gerada terá que ser tanta para sustentar tanta gente, que literalmente poderemos superaquecer a superfície do nosso planeta.

Junte agora todos estes itens, com especial ênfase a superpopulação e o aquecimento global e começará a ter uma ideia do triste retrato de um futuro próximo. Isso porque a falta de planejamento familiar e o aquecimento global relacionam-se diretamente com o surgimento de doenças desconhecidas, pois o aumento da temperatura, o calor, produz o que seria um despertar de microorganismos e subsequentes mutações causadoras de moléstias fatais. Não é por acaso que o Ebola, até agora, tem se manifestado no coração da África, onde o calor e umidade associados configuram um ambiente muito adequado para o cozimento de miolos humanos. Meditemos... Combinando apocalipse químico-nuclear com aquecimento global obtém-se um cenário perfeito onde proliferam a morte, as doenças, mutações da raça, destruição. Cenário do Fim do Mundo.

Texto do site: Morte Súbita por Lígia Cabús

O ASTERÓIDE APOPHIS

Em janeiro de 2007 o jornal russo Pravda on-line publicava: Em 13 de abril de 2029, o asteroide Apophis, um corpo celeste com 390 de largura, estará próximo ao planeta Terra a uma distância estimada entre 30 a 40 quilômetros. Sergey Smirnov, pesquisador do Russia's Central Astronomy Observatory, sediado em Pulkovo, informou que Apophis-99942 vai chegar muito perto do planeta duas vezes, em 2029 e também em 2035 ou, havendo margem de erro, 2036. A cada aproximação, a distância entre o asteroide e a Terra deve diminuir cerca de 10 a 15 quilômetros. Apophis está sendo considerado a mais grave ameaça de acidente cósmico registrada dos últimos 200 anos.

Anatoly Zaitsev, chefe do Planetary Defense Center, assim como Sergey Sminrnov, acham que o assunto é que os governos do mundo deveriam adotar, imediatamente, uma estratégia de proteção. Uma sonda deveria ser lançada ao espaço equipada com um rádio transmissor a fim determinar mais precisamente a órbita de Apophis. No 5º Internatitonal Aerospace Congress, Zaitsev declarou que é necessário construir um sistema de proteção, como uma fortaleza espacial, de onde poderiam ser lançadas naves dotadas de mísseis capazes de interceptar e destruir esta ameaça, bem como outras que possam surgir. O sistema poderia ser implantado em 7 anos e custaria 2 ou 3 bilhões de dólares.

Na mitologia dos antigos egípcios, Apophis é o nome de um espírito do mal, um destruidor determinado a envolver o mundo em eterna escuridão. Os astrônomos acham o nome muito adequado, posto que um choque entre o asteroide e a Terra produziria a liberação de uma energia de destruição 100 mil vezes mais potente que a bomba de Hiroshima. Se o asteroide caísse no mar a mil quilômetros da costa oeste dos Estados Unidos, por exemplo, aquele território seria varrido por ondas de 17 metros de altura.

HERCÓLUBUS

Tanto os lemurianos quanto os atlantes o chamavam de Estrela Baal, o rei do terror, alguns o chamam de Planeta Vermelho, outros de Gigante Aterrador, etc. Seu nome científico é Estrela Bernard-1. Esotericamente, chamamos este planeta de Hercólubus. A Ciência possui informações detalhadas sobre esta ameaça, e já estamos começando a sentir as primeiras transformações em nosso planeta devido à sua gigantesca força magnética. Obviamente, com a chegada de Hercólubus, teremos uma catástrofe mundial, “Ao falar assim sei que muitos de vocês oferecem resistência, secretamente riem, mas está escrito: aquele que ri do que desconhece está a caminho da idiotice. Assim, pois, preparemo-nos”.

O orbe do sinistro portador da destruição é conhecido por diferentes nomes: Hercólubus, Planeta X, Planeta Vermelho, Nibiru, Planeta Purificador [denominação usada pelos Espíritas -   ver, adiante, Concepção Espírita do Fim dos Tempos], Intruso, planeta Chupão, etc. e, mais recentemente, foi associado ao asteróide Apophis. Embora não se possa ainda garantir de forma absoluta que se trata do mesmo astro [e, muito possivelmente, não é] e seja qual for o nome que lhe for atribuído, o efeito deste 'encontro celestial' será o mesmo: o Fim do Mundo! ao menos, deste 'mundo', significando desta Humanidade ou da Civilização atual.

Contra-Ponto - Alguns afirmam categoricamente que o planeta Hercólubus está se aproximando e muito em breve se chocará com a Terra.

Esclarecendo:

É muito importante informar que Hercólubus não existe, sendo imaginação ou delírio de um escritor místico.

O que existe é a estrela de Barnard, da qual supostamente Hercólubus giraria ao redor. Até agora nenhum astrônomo viu, fotografou ou filmou Hercólubus.

Devido a estrela de Barnard, na constelação de Ofiúco, realmente seguir em direção à Terra, criou-se a picaretagem de que Hercólubus está implacavelmente vindo em nossa direção e irá nos transformar em cinzas.

Naturalmente, existe a possibilidade de que planetas girem ao redor de Barnard, mas até agora, ao menos cientificamente, não há nenhuma comprovação disso.

A estrela de Barnard situa-se a 5.5 anos-luz de distância e se aproxima da Terra a 140 km/s. Um simples cálculo mostra que, com essa velocidade, irá alcançar nosso planeta em aproximadamente 13 mil anos, mas é fundamental deixar muito claro que Barnard (e não Hercólubus) NÃO IRÁ SE CHOCAR COM A TERRA.

Estimativas confiáveis indicam que Barnard deverá passar a pelo menos 1.1 ano-luz de distância, não causando nenhuma anomalia aqui na Terra. Isso daqui a 13 mil anos.

FIM DO MUNDO EM 2011 - PELOS HOPIS

Os hopis são uma nação indígena dos Estados Unidos da América, que vivem principalmente na Reserva Hopi, no noroeste do estado de Arizona, com 1,5 milhões de acres (6 000 km²), e que está rodeada pela reserva navajo. Alguns hopis vivem na reserva indígena do rio Colorado, no oeste do Arizona.

Os hopi estão organizados em clãs, e quando um homem se casa, os filhos ficam membros do clã da mulher. O Clã do Urso é um dos mais conhecidos e Tom Banyanca, membro deste clã, foi escolhido para transmitir ao mundo a profecia hopi.

Este povo continua a praticar a sua cultura tradicional, num grau mais elevado que a maioria dos outros nativos americanos mas, como acontece com as restantes tribos, eles foram severamente influenciados pelo modo de vida estadunidense.

Tradicionalmente, os hopis eram agricultores bem dotados, apesar de produzirem apenas para a sua subsistência mas, com a chegada da eletricidade e a necessidade de terem os restantes produtos de consumo à sua disposição, os hopis adotaram atividades mais próprias da economia de mercado com muitos dos seus membros trabalhando nas indústrias existentes, mas também vivendo do seu artesanato tradicional. Apesar de terem sido muito influenciados pelo trabalho missionário e terem adotado, em grande medida, os problemas do consumismo e do alcoolismo, os hopis continuam a manter o núcleo das suas tradições a que a maioria adere. O New York Times relatou que os jovens hopi apreciam o reggae e que há frequentemente concertos desta música na sua reserva.

Aparentemente, os hopis têm uma relação espiritual muito forte com o Tibete e o Dalai Lama visita a sua reserva com frequência. Diz-se que, da primeira vez que ele ali chegou, os velhos hopi o saudaram: "Bem-vindo ao lar". Os hopis consideram-se parentes de todas as raças, mas especialmente dos tibetanos e há uma profecia hopi que diz que o seu povo e os “homens-vestidos-de-vermelho” do outro lado do oceano serão reunidos como irmãos. Por outro lado, uma profecia tibetana diz que “quando o pássaro-de-ferro voar e os cavalos correrem sobre rodas, o povo do Tibete espalhar-se-á pelo mundo e a sabedoria do Buddha chegará aos “peles-vermelhas” do outro lado do oceano”.

Os Hopi são nativos norte-americanos que habitam duas reservas no Arizona, a Reserva Hopi, no noroeste e a Reserva do Rio Colorado, no oeste daquele estado. A denominação Hopi é uma abreviação do termo composto Hopituh Shi-nu-mu, significando Povo Pacífico ou, ainda, Os Pequenos Pacíficos. A denominação se justifica: a religião dos Hopi é essencialmente pacifista e envolve o respeito por todas as coisas e seres da Natureza, de acordo com os mandamentos de Maasaw, Criador e Protetor do Mundo. Em seus ritos religiosos, os Hopi pedem benefícios para todos os povos da Terra.

Os Hopi, tal como a maioria das culturas antigas, têm uma rica tradição relacionada à criação do mundo, seus ciclos de desenvolvimento e decadência, seu fim. Essa cultura, cuja língua revela íntima relação com outros povos entre os chamados pré-colombianos, especialmente os astecas, possui uma cosmogênese/geogênese que em tudo se assemelha a concepções que parecem se repetir em todo o planeta, fato indicativo que, de alguma forma, toda a Humanidade recebeu suas tradições de uma mesma fonte, embora as lendas e profecias tenham adquirido, ao longo do tempo, pequenas diferenças, insignificantes em relação ao todo e que são resultado de peculiaridades locais.

Profecias - Para os Hopi, o grande Criador do planeta Terra é uma entidade divina que veio das estrelas, o que remete à famosa teoria de que a raça humana é o produto de uma colonização extraterrestre. Sobre o Fim do Mundo, a tradição Hopi é, à evidência, estreitamente aparentada com a Profecia Maia. Entre os Hopi, 2011 é a grande data estabelecida para os acontecimentos que precipitarão a destruição da atual Civilização. Os Sinais anunciadores do grande final previsto para 2011 já estariam ocorrendo há algum tempo e são igualmente parecidos com todos aqueles citados em outras profecias, a grande maioria decorrentes dos aspectos negativos do notável avanço tecnológico alcançado pela Civilização.

O indicativo mais importante e de consequências mais notáveis é o mesmo que aparece em outras previsões: o aparecimento nos céus de uma 'estrela destruidora' que será precedida por astros menores: no caso, uma grande estrela azul, a qual chamam Saquasohuh Kachina, que virá antes de uma maior, uma estrela roxa ou violeta, será definitiva para o extermínio da atual raça humana, da qual restarão uns poucos sobreviventes, sementes do Quinto Mundo.

Mais uma vez, as tradições se repetem: também os Hopi acreditam na emergência e extinção cíclica dos Homens, que se renovam em raças cada vez mais evoluídas rumo a uma purificação espiritual que chegará ao termo ideal na Sétima Raça ou Sétimo Mundo. A ideia nada tem de original e tem sido repetida à exaustão, sendo que a Doutrina Cosmogônica e a Antropogênese teosófica apresenta uma teoria completa sobre o assunto na monumental obra de Helena Petrovna Blavatsky, A Doutrina Secreta.

O fim do mundo, segundo a tradição Hopi, inclui todo aquele elenco de catástrofes descritas em outras profecias, desastres naturais inevitáveis, considerando que o cruzamento entre as órbitas da Terra e de um astro de grandes proporções, seja planeta, asteroide ou cometa, produzirá, evidentemente, grandes alterações no ecossistema terrestre. Este fim do mundo, segundo os Hopi, também inclui a ideia de uma punição, de um carma negativo a ser resgatado e prevê que que a estrela azul virá coroando uma sequência de nefastas ações perpetradas pelos homens: uma guerra que vai destruir a terra do Tio Sam, com direito a bombas atômicas e poluição radioativa.

Somente os Hopi ou os Pacíficos, serão poupados, refugiados em subterrâneos [aqui, os Hopi combinam o fim do mundo com a teoria da Terra Oca, onde habitariam povos mais evoluídos espiritualmente, por eles chamados de 'homens-formiga', mas Terra Oca já é outro assunto...]. A grande guerra será um confronto entre valores materiais e valores espirituais.

A LUA APOCALÍPTICA DA CIÊNCIA NAZISTA

Um dos aspectos mais curiosos do nazismo, em especial, das doutrinas científicas [ou pseudo-científicas] adotadas pelos nazistas, é a cosmogênese/geogênese concebida pelo cientista oficial daquele regime, o austríaco Hans Hörbiger [1860-1931], engenheiro e escritor. A teoria de Hörbirger, fundamentada na ideia de um conflito perpétuo entre o gelo e o fogo e entre as forças de atração e repulsão dos corpos celestes, inclui um apocalipse lunar, um fim dos tempos provocado pela queda da Lua na Terra, Lua que, para ele, é constituída, essencialmente, de gelo.

Segundo Hörbiger, a órbita da Lua em torno da Terra é circular somente na aparência; na verdade, esta órbita seria espiralar ou seja, o satélite faz uma trajetória em espiral e sua aproximação progressiva é desconhecida ou ignorada pelos astrônomos porque a longa duração do ciclo que, muito lentamente, resultará no choque entre os dois astros, torna o fenômeno imperceptível.

Teorias conspiratórias - Hanns Hörbiger costuma frequentar as discussões sobre teorias conspiratórias. Para Hörbiger, a ciência cartesiana era um "totem da decadência". O evolucionismo, a psicologia e a arqueologia não passavam de uma conspiração judaico-liberal contra a "verdadeira história do mundo".

Nessa história verdadeira, as vidas dos homens estariam diretamente ligadas às vidas dos astros. Os planetas se atrairiam e acabariam por explodir uns sobre os outros. A Lua, por exemplo, acabaria caindo sobre a Terra.

Na era da "Lua Baixa", quando o satélite está mais próximo da Terra, nasceriam os gigantes, ou homens-deuses. A Lua acabaria explodindo num anel de rochas que despencaria sobre o mundo. Haveria um longo período no qual a Terra ficaria sem uma lua, até que a gravidade planetária capturaria outra rocha espacial e a transformaria em satélite. Neste período de "Lua Alta", quando o novo astro estaria distante da Terra, os gigantes morreriam e seriam vencidos pelos homens (Davi mata Golias). Alguns deuses, no entanto, conseguiriam se refugiar em cavernas e aguardar o momento em que retornariam para governar o mundo.

A humanidade não seria descendente dos gigantes, mas apenas uma raça degenerada que surgiu no período da "Lua Alta". Para os nazistas, algumas raças seriam mais degeneradas que outras. A raça ariana seria a única apta a acelerar o ciclo cósmico e preparar o mundo para a volta dos deuses. Seria mais do que um simples dever religioso ou político - seria uma missão cósmica.

Fontes e Referências:

Conspirações - Tudo o que não querem que você saiba, Edson Aran, Geração Editorial, 2006.
Site: Morte Súbita
Wikipédia

FIM DO MUNDO POR OUTROS PROFETAS

por Ligia Cabús

O fim do Mundo é um tema frequente nas visões dos Profetas de diferentes épocas. A maioria deles fala de um fenômeno cósmico cujas consequências, catastróficas, vão abalar definitivamente a estrutura e/ou o modo de vida de Civilização atual. Abaixo, estão relacionadas algumas destas profecias que reforçam a ideia de um agente destruidor vindo do céu, falam dos sinais anunciadores do grande desastre e do caos subseqüente que deverá atingir toda a Humanidade atual [FONTE: OS GRANDES PROFETAS, 1985]:

Monja de Dresden
[Alemanha, 1680-1706]
O Ventre Podre: Na última etapa, o ventre da terra apodrecerá. E tudo o que estiver nela apodrecerá; e tudo o que for retirado de seu ventre será venenoso. Mas os homens continuarão a comer as entranhas do ventre e morrerão. A morte terá a cor do ventre, mas os homens dirão que é a cor dos tempos A morte terá o cheiro do ventre mas os homens dirão que é o cheiro da Natureza. Próximo do fim, tudo será veneno porque foi decidido que será o homem a matar o homem. ...O ventre apodrecido fará mais mortos que a guerra... E serão necessários 666 anos para queimar os venenos [p. 163]

MAGO LADINO - Gerolamo Tvazzo ou Tovazzi
[Itália, 1686-1769]
As Sete Chagas: Sete chagas na idade estelar cairão sobre a colmeia humana. Estéril será o homem e estéril a terra; pão e solidão serão uma guerra. Estéril será o coração: faltará o complemento da paixão. Veneno será o ar, a água e o gramado; o mundo todo estará envenenado. A peste verde explodirá no aparador, quando o mundo for um poço de violência. A última chaga sangrenta será a babel da fala [confusão de discursos vazios, p 237].

RASPUTIN - Grigori Iefimotich,
[Rússia, 1869-1916]
A Última Guerra: A fome será a última guerra do homem. Muitos terão as mãos cheias de ouro e prata, mas serão afortunados somente aqueles que tiverem um saco de farinha e um pedaço de terra para cultivar o trigo... A pestilência voltará a ocorrer, mas não será a cólera... [p 273]

TERESA NEUMAN
[Alemanha, 1898-1962]
O Cemitério dos Sonhos: Vi um cemitério no qual eram sepultados os sonhos dos homens. E todo sonho tinha sua pedra tumular. E em cada pedra havia um epitáfio... aqui jaz, estava escrito sobre uma pedra, o sonho do homem de correr mais que o vento. E ainda: aqui jaz o sonho do homem de prolongar sua vida ao infinito. Havia ainda um grande túmulo para o grande sonho, sobre o qual estava escrito: aqui jaz o bem bem-estar do homem. [p 302]

As Casas Sem Dono: Encontrei-me em um país desconhecido. Era um país cheio de casas, mas pelas ruas não havia viva alma. Bati em numerosas portas, mas ninguém abriu... As portas estavam apenas encostadas e a lareira acesa, como se seus donos estivessem para chegar de uma hora para outra... Mas não havia seres vivos, nem homens, nem animais. [p 309]

PADRE PIO
[Itália, 1887-1968, Mensagens do Além recebidas pela médium Marta Micol, a partir de 1977]

I. O mundo está caminhando para a ruína. O homem abandonou a rota certa para aventurar-se por veredas que terminam no deserto da violência... Se não voltar imediatamente a beber na fonte da humildade, da caridade e do amor, haverá a catástrofe.

III. Quando o mundo foi entregue ao homem, era um jardim. O homem transformou-o em um sarçal cheio de veneno. Nada serve agora para purificar a casa do homem. É necessária uma ação mais profunda, que só pode vir do céu

IV. Preparai-vos para viver três dias de escuridão total. Esses três dias estão muito próximos... E nesses dias ficareis como mortos, sem comer e sem beber. Depois voltará a luz. Mas muitos serão os homens que não a verão mais. [p 292]

VII. Sede como formigas, porque virá o tempo em que os homens se arrancarão os olhos por uma migalha de pão. As lojas serão saqueadas, os armazéns serão assaltados e destruídos. Pobre será aquele que, nesses dias tenebrosos, se achar sem uma vela, sem uma garrafa de água e sem o necessário para três meses.

VIII. Desaparecerá uma terra... uma grande terra. Um país será riscado para sempre dos mapas geográficos... E com ele serão arrastados à lama a história, a riqueza e os homens. [p 293]

XII. Os homens viverão uma experiência trágica. Muitos serão arrastados pelas águas, muitos serão transformados em cinzas pelo fogo, muitos serão sepultados pelos venenos...

FONTE: OS GRANDES PROFETAS, 1985

PROFETAS MEDIEVAIS

Desde os primeiros anos do cristianismo até os primeiros três séculos do segundo milênio [cerca de 1.300 d.C.] na Idade Média, não faltaram anúncios do fim do mundo. A escatologia [termo aqui usado no sentido de doutrina/estudo do fim dos tempos ou do mundo] cristã é inspirada no Livro do Apocalipse, do apóstolo João.

Este Fim dos Tempos seria marcado pelo retorno do Cristo Jesus ou Parusia, que exterminaria o mal sobre a Terra estabelecendo um Reino de paz durante um período de mil anos, quando os mártires habitariam novamente o planeta; depois deste período teria lugar o Juízo Final e a prometida ressurreição dos justo para o desfrute da vida eterna. Os cristãos dos primeiros séculos do cristianismo achavam que este Fim dos Tempos seria iminente, posto que eles mesmos se consideravam como sendo os mártires que já estavam vivendo na Terra depois da vida e morte do Messias.

Um exemplo desta crença é o movimento do denominado Montanismo, surgido na Grécia do século II d.C., fundado pelo pregador Montano. O Montanismo persistiu até o século VIII, quando foi extinto, depois de duros esforços empreendidos pela Igreja romana. Entretanto, as especulações e os profetas cristãos do Fim do Mundo não desapareceram: entre os séculos XI e XV, nada menos que 27 datas foram anunciadas para o evento:

1000, 1033, 1186, 1229, 1250, 1260, 1290, 1300,1310, 1325, 1335, 1345, 1360, 1367, 1375, 1348, 1360, 1367, 1375, 1378, 1387, 1395, 1396, 1400, 1417, 1429 e 1490.

Fonte: http://www.espiritualismo.info/


Revisado em 19.04.2013

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...