sábado, 16 de julho de 2011

Terapias Holísticas II


Ayurveda é o nome dado à "ciência" médica desenvolvida na Índia há cerca de 7 mil anos, o que faz dela um dos mais antigos sistemas medicinais da humanidade. Ayurveda significa, em sânscrito, Ciência (veda) da vida (ayur). Continua a ser a medicina oficial na Índia e tem-se difundido por todo o mundo como uma técnica eficaz de medicina tradicional.

A medicina ayurvédica é conhecida como a mãe da medicina, pois seus princípios e estudos foram a base para, posteriormente, o desenvolvimento da medicina tradicional chinesa, árabe, romana e grega.
A medicina Ayurvédica é parte da ciência védica e utiliza na sua abordagem terapêutica plantas medicinais, dieta, exercícios físicos, meditação, yoga, astrologia hindu, massagem, aromaterapia, gemoterapia (tratamento com metais e gemas), cirurgia e psicologia.

O Ayurveda afirma que existem 3 humores biológicos no nosso corpo chamados de Doshas: Vata, que possui o elemento ar predominante; Pitta, onde o elemento fogo é o principal e Kapha, caracterizado pelo elemento água. Vata é como o vento ou o ar em movimento: é seco, leve, sutil e agitado. Pitta é semelhante ao fogo, caracteriza-se por ser quente, oleoso e leve. Kapha é como a água: úmido, frio, pesado e frio.

Na visão ayurvédica, um excesso ou deficiência destas características descritas acima indica um desequilíbrio no Dosha (humor biológico) correspondente, o que gera alterações patológicas no corpo físico.

Assim, Vata em desequilíbrio leva ao emagrecimento, debilidade, aversão ao frio, tremores, constipação, alterações no sistema nervoso, tonteira, colite, formação de gases e reumatismo. Pitta em desarmonia produz olhos e pele amarelados, fome em excesso, sede aumentada, febre, sensação de calor corporal, inflamações, infecções, azia e queimações. Kapha alterado gera fraqueza do sistema digestivo, palidez, calafrios, tosse com formação de mucosidades nos pulmões, sonolência, obesidade, hipoatividade das funções orgânicas e preguiça.

Segundo a literatura hindu, a medicina Ayurvédica possui 8 ramos principais:

Medicina interna ou clinica geral
Pediatria
Psiquiatria
Doenças da cabeça e pescoço (neste ramo estão incluídos: otorrinolaringologia, oftalmologia e odontologia)
Cirurgia
Toxicologia
Rejuvenescimento e geriatria
Afrodisíacos

Fonte: http://www.ayurveda.com.br/

CROMOTERAPIA

A Cromoterapia é um tratamento que usa frequência de ondas eletromagnéticas para tratar distúrbios orgânicos, restaurando o equilíbrio de todo o ser.

Essas ondas vão alterar os campos de energia de uma pessoa e o modelo vibratório das células individuais, trazendo harmonia a você, às pessoas que o cercam e ao meio ambiente em que você convive.

Utilizando cores para melhorar seu bem-estar mental, físico e espiritual, atuando diretamente nos seus chakras, que são os centros de energia do nosso corpo, os locais no corpo áurico onde a energia está concentrada.

Várias foram as civilizações antigas, como a egípcia, a grega, a indiana, a chinesa e outras que fizeram uso das cores para tratamento de saúde.

Na China e na Índia a cor era mais relacionada à Mitologia e à Astrologia. Na Grécia muitos filósofos-médicos foram absorver o conhecimento da ciência médica na fonte egípcia, com os sacerdotes-médicos.

A Cromoterapia está intimamente ligada ao antigo Egito, assim como a própria Medicina. O vínculo da Medicina ao Egito data de 2800 a.C. com IMHOTEP, considerado o Pai Universal da Medicina, pois foi ele quem escreveu os primeiros livros de Medicina, em rolos de papiros. E também foi ele quem fundou a primeira Escola de Medicina.

Séculos mais tarde, Hipócrates (460-377 a.C.), médico grego, esteve no Egito estudando a matéria Médica com os sacerdotes-médicos durante três anos. De retorno a Cós, sua cidade natal, fundou a primeira Escola de Medicina da Grécia e elaborou o Juramento Médico, baseado nos escritos de Imhotep.

Também o tratamento médico com o uso de cores iniciou no Egito, conforme pesquisas do Dr. Paul Galioughi, autor do livro "La Médicine des Pharaons”, onde relata como os sacerdotes-médicos tratavam os doentes com as cores, utilizando-se de flores e pedras preciosas.

Então, podemos dizer que a Cromoterapia nasceu no antigo Egito; adormeceu milênios; e ressurge como uma Medicina-energética, assim como a Homeopatia e a Acupuntura.

Diversos foram os pesquisadores do uso das cores, dos quais citamos:

JOHN OTT - Médico e Diretor do Instituto Sarasota, Flórida/USA, que pesquisou o efeito das cores sobre tumores cancerosos. Autor do livro “Health And Light”;

DINSHAH GHADIALI - Médico indiano, residente em New Jersey/USA, que estruturou a Cromoterapia em bases científicas. Autor de uma Enciclopédia, em 3 volumes, sobre a utilização das cores nas doenças;

NIELS FINSEN - Médico em Copenhague, Dinamarca. Autor do livro “Propriedades Actínicas da Luz do Sol”. Fundou o Instituto da Luz, para a cura de pacientes com tuberculose. Realizou curas surpreendentes em cerca de dois mil pacientes com a aplicação da Cromoterapia, recebendo o Prêmio Nobel, em 1903;

RENÉ NUNES - Jornalista, Conferencista e Professor, de Brasília, Brasil (falecido em 1995), que se dedicou à pesquisa e aplicação da Cromoterapia em mais de dez mil pacientes, obtendo grande índice de recuperação. Autor de diversas obras, das quais cito “Cromoterapia Técnica”. Foi o grande divulgador da Cromoterapia como ciência médica-energética no Brasil e no exterior.

Define-se Cromoterapia como a ciência que utiliza as cores do Espectro Solar para restaurar o equilíbrio físico-energético em áreas do corpo humano atingidas por alguma disfunção.

                                                  As 7 cores do Espectro são:                                       
- VERMELHO
- LARANJA
- AMARELO
- VERDE
- AZUL
- ANIL
- VIOLETA

O USO TERAPÊUTICO DAS CORES:

vermelho aumenta a energia vital

rosa ativa a energia amorosa, elimina impurezas do sangue

rosa forte age como desobstruidor e cauterizador das veias, vasos e artérias e elimina impurezas do sangue.

laranja proporciona maior alegria, jovialidade e libido, elimina gorduras em áreas localizadas.

amarelo desenvolve a criatividade, purifica o sistema e é benéfico para a pele.

amarelo forte fortifica o corpo e age em tecidos internos.

verde aumenta a capacidade física e mental; verde forte anti-infeccioso, anti-séptico e regenerador. 

azul acalma e equilibra, é analgésico, regenera as células dos músculos, nervos, pele e aparelho circulatório azul forte lubrifica as juntas e articulações.

índigo é anestésico, coagulante e purificador da corrente sanguínea, limpa as correntes psíquicas.

violeta sedativo dos nervos motores e sistema linfático, cauteriza as infecções e inflamações.

dourado concede a influência do Sol, dando ânimo e exaltação, representa a opulência e a riqueza.

prateado concede a influência da Lua, proporciona mistério, magia, receptividade e uma natureza mais feminina.

branco soma de todas as cores - representa inocência, pureza e paz.

preto ausência de cor - apesar de ajudar a esconder gordurinhas indesejáveis absorve a negatividade do ambiente e representa, luto, tristeza e mistério.

Para saber mais sobre CROMOTERAPIA clique aqui 


CURA PRÂNICA

A Cura Prânica é uma das primeiras formas de terapia aplicadas conscientemente pelo Homem, havendo registros que remontam a milhares de anos, em textos sagrados indianos.

Tem como objetivo estabelecer o equilíbrio da vitalidade do organismo, detectando e corrigindo desarmonias na sua circulação: deficiências, excessos ou bloqueios.

A Cura Prânica (Pranic Healing) é uma técnica que consiste na exploração do corpo energético (como diagnóstico), na remoção de energia, onde houver excessos, e na energização onde houver deficiência.

À partir da Cura Prânica Básica se desenvolveram a Cura Prânica Avançada, a Cura Prânica à Distância, a Cura Pranica com Cristais, a Auto Defesa Psíquica e Técnicas de Prosperidade.

È um método rápido e eficiente para tratar desarmonias físicas, psicológicas, emocionais e espirituais.

A cura prânica é uma antiga ciência e arte que foi sistematizada pelo Mestre Choa Kok Sui, nascido na China e radicado nas Filipinas. Foi introduzida no Brasil em 1992.

A Cura Prânica visa reequilibrar a energia vital e os chakras, canalizando o Prana, atuando no corpo bioplasmático, com consequências fisiológicas, ou seja, promovendo a cura.

O corpo físico do homem se compõe de duas partes: o corpo físico visível e palpável e o corpo bioplasmático, formado por uma energia sutil e invisível. Esses corpos se interpenetram e interagem num vínculo de troca de energia.

A CURA PRÂNICA

Autora do texto: Valéria Rocha, Curadora Prânica 

Nossa intuição sempre apontou a existência de algo além do que nossos olhos podiam perceber.

Existem variados caminhos para aprimorarmos nossos sentidos e atingirmos um nível mais elevado de consciência.

A Cura Prânica é um destes caminhos e não precisamos abrir mão de nosso pensamento racional ou mundo real para segui-lo. Aliás, ao contrário, ele poderá ajudá-lo no seu dia a dia. Não apenas no que diz respeito à saúde física e emocional, combatendo doenças, stress, depressão, insônia, vícios, mas também ajudando na materialização de objetivos, aumentando a concentração, facilitando o aprendizado.

Bem, mas o que é a Cura Prânica ? 

A Cura Prânica é uma forma de tratamento de origem oriental milenar que utiliza prana para nos trazer equilíbrio.

E o que vem a ser prana? 

Prana, palavra sânscrita para sopro de vida, é a energia vital presente em todos os planos, é invisível, não tem aroma, peso, som e sabor. Algo abstrato e concreto ao mesmo tempo.

Master Choa Kok Sui, após anos de estudos, pesquisas e experimentações, sistematizou de forma clara e simples os procedimentos de cura e prevenção. 

Aprendemos a sensibilizar nossas mãos para perceber e conduzir essa energia que entra e se armazena no corpo pelos Chakras (do sânscrito roda). São pequenos redemoinhos coloridos distribuídos principalmente entre o alto da cabeça e a base da coluna, que regulam a entrada e saída de força vital.

Cada Chakra está relacionado não apenas aos órgãos e funções do organismo, mas também regem as emoções e fazem a ligação com o mundo espiritual. Quando em equilíbrio, esses centros permitem que a energia flua de modo saudável; enfraquecidos ou superativados podem causar bloqueios, dificuldades, perda de saúde e imunidade. A Cura Prânica ajuda o sistema de energia do corpo a normalizar-se de modo que o próprio corpo possa curar a si mesmo. Por trabalhar com a pessoa como um todo, e ir diretamente à origem das doenças, a Cura Prânica funciona bem, tanto na prevenção delas como num complemento para a medicina tradicional.

Somos todos capazes de aprender e praticar a Cura Prânica?

Sim, a técnica desenvolvida pelo Mestre Choa Kok Sui é simples.

Com o corpo composto de 70% de água, que é um ótimo condutor de eletricidade, somos todos naturalmente capazes de sintonizar e transmitir energia sutil pelo chakras das mãos.

Como é uma sessão de Cura Prânica?

Em uma sessão de Cura Prânica o paciente fica sentado, deitado ou em pé, dependendo da parte do corpo a ser trabalhada, o terapeuta mantém sempre as mãos a uma certa distancia de quem recebe cura. Primeiramente ele avalia quais chakras estão desequilibrados, para depois fazer uma limpeza e harmonização, doando prana conforme necessário. Os curadores mais experientes são capazes de curar à distancia e manipular maior variedade de energia sutil.


OBS: Mesmo assemelhando-se com REIKI, as frequências energéticas são diferentes, já que o REIKI usa de toda uma preparação.

FITOTERAPIA

Fitoterapia (do grego therapeia = tratamento e phyton = vegetal) é o estudo das plantas medicinais e suas aplicações na cura das doenças. Ela surgiu independentemente na maioria dos povos. Na China, surgiu por volta de 3000 a.C. quando o imperador Cho-Chin-Kei descreveu as propriedades do Ginseng e da Cânfora.

Deve-se observar que a definição de fitoterápico não engloba o uso popular das plantas em si, mas sim seus extratos.

Acne - Alteia, arnica, parietária, tília, bardana, mil folhas.

Afecções da garganta - Flor de laranjeira, alho, limão.

Afta - Cavalinha, cenoura, limão, tanchagem, babosa, sementes de acelga tostadas e moídas, malva.

Aleitamento materno - Funcho, cominho, camomila, leite de amêndoas, castanha do pará.

Anemia - Couve, espinafre, rabanete, tomate, morango, amora, urtiga, repolho, funcho, carqueja, quina, alfafa.

Ansiedade - Melissa, tília, capim-limão, maracujá.

Artrite e reumatismo - Cebola, alho, malva, tília, limão, mamão, banana, uva, alecrim, camomila.

Asma - Alecrim, guaco, anis-estrelado, orégano, sálvia.

Assaduras e brotoejas - Rosa-branca, camomila, tanchagem.

Calmante - Capim-limão, tília, folhas de maracujazeiro, melissa, valeriana.

Nevralgia ciática - agrião, rúcula, repolho, cebola.

Cistite - Pata de vaca (branca), cavalinha, malva, serralha, cabelo de milho.

Cólica menstrual - Camomila, anis-estrelado, melissa, alecrim.

Cólica renal - Quebra-pedra, cabelo de milho, raiz de salsa, cavalinha, semente de urucum.

Diabete - Dente-de-leão, sálvia, mil folhas, vagem, alho.

Diarreia - Broto de goiabeira, casca de romã, tília, camomila, banana, maçã.

Dor de cabeça - Alfazema, alecrim, tília, melissa, limão.

Estresse - Maracujá, tília, melissa, rosa-branca, valeriana, cidreira.

Falta de apetite - Alecrim, anis-estrelado, angélica, erva-doce, hortelã.

Frieira - Calêndula, cebola, alho, arruda, alecrim, mentruz.

Fungos - Arruda, alecrim, erva -de-santa-maria, rubim.

Gases intestinais - Sálvia, erva-doce, cominho, hortelã.

Gengivite - Sálvia, anis-estrelado, menta.

Gripes e resfriados - Anis-estrelado, camomila, eucalipto, menta, limão, poejo.

Hemorroidas - Casca de romã, tanchagem, babosa, rubim, alecrim.

Insônia - Maracujá, lúpulo, valeriana, cidreira, melissa, tília, manjerona, alho.

Nervosismo - Valeriana, tília, melissa, folhas de laranjeira, rosa-branca, gatária, maracujá.

Obesidade - Malva, sabugueiro, alcachofra, agrião, guaco, brócoli.

Rachaduras nos mamilos - Casca de carvalho, alecrim, babosa.

Tosses e bronquite - Tília, alho, cebola, agrião, tomilho, orégano, guaco, eucalipto, hortelã.

Verminoses - Alho, hortelã, mentruz, losna, tomilho, semente de abóbora, quássia, abacaxi, ameixa, manga, poejo, casca de romã.

Fonte: http://www.virtual.epm.br/


FLORAIS DE BACH

Segundo os estudos feitos pelo médico Edward Bach, as vibrações das flores correspondem às diversas características da personalidade humana, mas em seu estado puro, perfeito. Estas essências harmonizam as emoções e reestabelecem o equilíbrio interior.

Desde a infância as pessoas aprendem a reprimir suas emoções de raiva, medo, insegurança e, com o passar do tempo, estes sentimentos vão se solidificando, criando um bloqueio que os impede de ser elaborados e, consequentemente, possibilitando o desencadeamento de doenças.

As essências florais ajudam a trabalhar esses conflitos, possibilitando a integração das emoções positivas e negativas à personalidade. À medida em que as pessoas passam a aceitar e lidar melhor com suas dificuldades, esses conflitos vão se dissolvendo, e com eles vão sendo dissipados o medo excessivo, o stress, insegurança e a culpa. Os florais agem de forma a desmanchar as couraças de cada um, resgatando a espontaneidade, autenticidade, em busca do equilíbrio e da saúde. Através de acompanhamento de casos práticos é possível comprovar a profundidade da ação das essências na transformação e crescimento interior.

Os Florais de Bach

AGRIMONY: Ansiedade, desassossego interior mascarado por uma fachada jovial e radiante. Faz qualquer sacrifício para manter a paz de espírito e do seu ambiente. Evita confrontos. Pode usar álcool ou outras drogas para atenuar a tortura mental.
ASPEN: Medos vagos de origem desconhecida. Ex: medo do escuro, medo da morte, etc... Apreensão. Pressentimentos ruins.
BEECH: Intolerante, crítico, não consegue entender os defeitos dos outros. Exigente, irrita-se facilmente com as faltas alheias.
CENTAURY: Para os subservientes, pessoas tímidas e que são facilmente dominadas. Pouca força de vontade. Não é capaz de dizer "não".
CERATO: Não confia em seu próprio julgamento, busca conselhos e confirmação nos outros. Está sempre fazendo perguntas. Pessoa sugestionável.Tende a imitar os outros.
CHERRY PLUM: Medo de perder o controle e a razão. Medo de enlouquecer e de fazer coisas terríveis. Desespero.
CHESTNUT BUD: Incapacidade de aprender com os erros passados. Repete sempre os mesmos erros. Dificuldade escolar.
CHICORY: Para pessoas do tipo "maternal" mas que tendem a exercer um controle excessivo sobre as crianças, familiares e amigos. Amor possessivo e superprotetor. Usam de chantagem emocional. Indicado também para crianças possessivas com pessoas ou brinquedos.
CLEMATIS: Para os sonhadores - falta de interesse no presente. Para quem vive sonhando com o futuro. Falta de atenção, esquecimento, sonolência.
CRAB APPLE: Para quem se sente fisicamente sujo, baixa auto-estima, vergonha de si mesmo. Funciona como um depurativo físico e mental.
ELM: Para os que, em determinado momento, sentem que não terão forças para cumprir suas responsabilidades. Sobrecarregados.
GENTIAN: Desânimo, pessimismo. Desencorajado quando as coisas não dão certo ou quando há dificuldade de causa conhecida. Para os que desanimam facilmente em qualquer situação.
GORSE: Desesperança, desespero, depressão. Falta de fé, pessimismo. Freqüentemente apresentam olheiras.
HEATHER: Egocêntrico. Detesta solidão. Procura incessantemente por um interlocutor para assuntos de seu exclusivo interesse. Não sabe ouvir. Suga as energias alheias.
HOLLY: Ódio, raiva, ciúme, inveja, agressividade, ganância.
HONEYSUCKLE: Para quem vive no passado. Arrependimento. Nostalgia, saudade. De grande ajuda para pessoas solitárias ou que amarguram decisões do passado.
HORNBEAM: Sensação de "2ª feira de manhã". Cansaço. Bloqueio mental. Sem ânimo para enfrentar o cotidiano.
IMPATIENS: Impaciência. Nervosismo. Tensão mental. Apressado.
LARCH: Sente-se inferior aos outros. Não se arrisca nem se esforça por se sentir convencido de que irá fracassar. Floral muito útil antes de exame. Melhora a auto-confiança.
MIMULUS: Medos e temores por coisas conhecidas (doenças, morte, acidentes, escuro, pobreza, falar em público, etc). Timidez. Acanhamento.
MUSTARD: Tristeza profunda sem explicação. Grande desânimo. Depressão, melancolia que surge de repente e se vai do mesmo modo.
OAK: Trabalhador incansável. Para os efeitos das limitações provocadas por doenças ou adversidades.
OLIVE: Para o esgotamento total, mental ou físico. Exaustão.
PINE: Para culpa. Culpa-se pelos erros dos outros e por tudo que acontece de errado. Recrimina-se.
RED CHESTNUT:  Preocupação excessiva e medo pelos outros. Medo de que algo ruim aconteça às pessoas que ama.
ROCK ROSE: Emergências graves (acidentes, risco de vida). Susto, medo, pânico, terror. Nas crianças, para pavor depois de pesadelos.
ROCK WATER: Para os que são excessivamente rigorosos consigo mesmos. Perfeccionistas. Querem ser um exemplo para os outros. Negam a si próprios até mesmo os mais simples prazeres da vida.
SCLERANTHUS: Incerteza, indecisão diante de duas opções. Falta de estabilidade e equilíbrio; estados de ânimo variados (alegria e tristeza, energia e apatia, risos e lágrimas, etc.). Indicado para enjôos em viagem.
STAR OF BETHLEHEM: Para o choque físico ou mental e suas consequências. Indicado em situações tais como acidente, notícia ruim, susto muito grande, perda de entes queridos, etc.
SWEET CHESTNUT: Para angústia extrema. Sensação de ter chegado ao limite. Indicado para a sensação de que nada mais resta na vida, nem esperança, nem fé.
VERVAIN: Para tensão. Fanático, dono da verdade, tenta converter os outros às suas ideias e crenças. Dificuldade em relaxar.
VINE: Dominador. Ambicioso e determinado. Não pede, manda. Este remédio ajuda essas pessoas a serem mais compreensivas com os outros.
WALNUT: Indicado para ocasiões de mudança (de casa, de emprego, casamento, divórcio, dentição, puberdade, menopausa, etc.). Protege de influências exteriores.
WATER VIOLET: Orgulhoso, indiferente. Prefere ficar sozinho. Não interfere nos assuntos dos outros e não gosta que interfiram nos seus.
WHITE CHESTNUT: Pensamentos indesejáveis e persistentes que atormentam. Discussões mentais. Ideia fixa. Diálogos internos torturantes.
WILD OAT: Pessoa ambiciosa mas com dificuldade para escolher uma vocação profissional ou caminho, tornando-se frustrada e deprimida.
WILD ROSE: Resignação e apatia. Acredita que sua situação não tem remédio. Sempre cansado; sem vitalidade.
WILLOW: Para o ressentimento, amargura. Culpa aos outros e a vida pelas coisas que acontecem com ele. Sente-se injustiçado. Inveja.
RESCUE REMEDY (associação de cherry plum, clematis, impatiens, rock rose e star of bethlehem):
  • Para os primeiros socorros, emergências e stress.
  • Ajuda a encarar os problemas de forma mais serena.
  • Para situação de tensão ou quando se sentir pressionado, atormentado ou em pânico.
  • Externamente em forma de creme para queimadura, picada de inseto, massagem, ferimentos e espinhas.

Bibliografia:
  • Dicionário dos Remédios Florais do Dr. Bach. T.W.Hyne Jones - Ed.Pensamento.
  • Os Remédios Florais do Dr.Bach-passo a passo. Judy Howard - Ed. Pensamento.
  • Terapia Floral do Dr. Bach - teoria e prática - Mechthild Scheffer - Ed. Pensamento.

Para saber mais sobre Florais de Bach clique aqui







LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...